Morrowind:36 Lessons of Vivec, Sermon 26

A UESPWiki – Sua fonte de The Elder Scrolls desde 1995
MW-icon-book-Book3.png
Informações do Livro
ID bookskill_sneak5
Veja também Versão da Lore
Anterior Sermon 25 Próximo Sermon 27
Value 200 Weight 3.0
Skill Sneak
Localizações
Encontrado nos seguintes lugares:
Livro 26 de uma série de palavras de conhecimento relacionadas à Vivec


Então Vivec deixou seu arrebatamento arquitetônico e voltou para o espaço que não era espaço. Da Casa Provisória ele olhou para o mundo mediano para encontrar o quarto monstro, chamado O Cabala de Bolso.

O monstro escondeu-se nas listas de magias dos grandes bruxos Chimeri do extremo oriente, onde os Imperadores Guarda-Sóis tornavam-se selvagens. Vivec disfarçou-se como um simples viajante, mas irradiava um tênue tecido sensorial para que os bruxos o procurassem. A Muatra ele fez um simples anão andarilho.

Antes de muito o invisível estava entre as bibliotecas do leste, dando de comer as palavras essenciais do Cabala de Bolso ao seu anão andarilho e então correndo quando a mágica faltava. Depois de um ano ou dos dessa ladroagem, Muatra ficou doente do estômago, e então o anão andarilho explodiu próximo às canetas escravas da torre de um bruxo. O Cabala de Bolso então enfiou-se na boca dos escravos e escondeu-se novamente.

Vivec então observou os escravos irromperem em balbucio e quebrarem a magia. Eles sacudiram suas jaulas e cantaram meio hinos que se transformaram em conhecimento proibido e arcano. Demônios litânicos apareceram e beberam do excesso. Ávidos do Local Adjacente vieram para o mundo de lado, a tomada dos escravos havia desfeito os pontos não-cardinais normais.

Então, é claro, um inseto gigante apareceu, com o maior bruxo oriental dentro dele. Ele podia ver além do disfarce de Vivec e sabia da divindade do poeta guerreiro, mas ele se considerava tão poderoso que falava duramente:

'Veja o que você fez, Triune tolo! Colunas de sem sentido e demônios litânicos! Eu não posso acreditar como razão ou temperança podem serem feitas inteiras novamente devido a seu alimento, alimento, alimento! Consorciando com demônios, por que você o faria?'

Vivec apunhalou o bruxo através de sua alma.

O arreio de insetos gigantes caiu sobre as gaiolas de escravos e estes correram livres e imprudentes, muito mais imprudentes com palavras grávidas. Cores dobraram na terra. Vivec criou um demônio de cabeça de cúpula para conter tudo.

'O Cabala de Bolso está, portanto, enterrado aqui para sempre. Que esta seja uma terra amaldiçoada onde a feitiçaria é quebrada e difamada.’

Então ele pegou a Muatra pela barba e deixou o hemisfério fantasma do demônio cabeça de cúpula. Em seus limites, Vivec colocou um aviso e uma música de entrada que continha erros. Com ossos falsos da meio morta Muatra, ele criou os pilares da tenda de uma fortaleza-teoria e os idiomas fatais foram aprisionados por todos os tempos.

Seht apareceu e olhou para o que seu irmão-irmã criou. O Rei Mecânico disse:

'Dos oito monstros, esse é o mais confuso. Posso conservá-lo na memória?'

Vivec permitiu a Seht fazê-lo, mas disse para ele nunca soltar O Cabala de Bolso no mundo mediano. Ele respondeu:

'Eu escondi segredos em minhas viagens aqui e fiz algo similar a Muatra para defender contra o insensato. Sob esse domo, o mito temporal não é mais homem.'

O fim das palavras é ALMSIVI.