Lore:Domínio Aldmeri

A UESPWiki – Sua fonte de The Elder Scrolls desde 1995
O emblema do primeiro Domínio Aldmeri

O Domínio Aldmeri refere a qualquer um dos três impérios estabelecidos pelos Altmer no continente de Tamriel no curso da história. O termo "Aldmeri" é literalmente traduzido como "Lar dos Elfos". Enquanto as justificativas sejam diferentes, cada encarnação do Domínio buscava o mesmo objetivo: reafirmar o domínio Élfico sob Tamriel.

Primeiro Domínio

"Apenas os Aldmeri—os Altos Elfos e seus nobres aliados, os Elfos da Floresta e Homens-Gato—possuem a sabedoria e restrição para governar pacificamente os diferentes povos de Tamriel. Embora estamos relutantes de tomar esse fardo, os eventos mostraram que precisamos. Eventos recentes provam que a Quebra do Dragão não foi um evento único. Humanos sempre seguem o caminho destrutivo de seu defensor e apologista, o Deus Perdido que não devemos nomear. Isso acaba aqui. Novamente, Elfos devem governar Tamriel da Torre Ouro-Branco... dessa vez, para sempre. O mundo desencaminhou, e nós devemos endireita-lo. Marche orgulhosamente sob a águia da bandeira do Domínio Aldmeri! " — Aicantar de Shimmerene[1]

O Domínio Aldmeri original, também conhecido como Primeiro Domínio, foi um império fundado pela Rainha Ayrenn em 2E 580, em meio ao Interregno.[2][3] Foi concebido após Ayrenn assumiu o trono de Alinor. Tendo viajado extensivamente por Tamriel antes de retornar para as Ilhas do Semprestio, ela estava alerta das terríveis ameaças ameaçando o mundo e viu como o dever próprio dos Elfos endireitar as coisas.[3] Ao mesmo tempo, os Bosmer e Khajiit estavam enfrentando problemas próprios e precisavam de aliados. Consequentemente, as Ilhas do Semprestio, Floresta de Valen e Elsweyr se juntaram para formar o Domínio, que pelo final de 2E 580 havia entrado na Guerra das Alianças[2] para clamar o Trono de Rubi de Cyrodiil e controle de Tamriel, assim como prevenir que os rivais, a Aliança Daggerfall e o Pacto Coração-Ébano fizessem o mesmo. O objetivo supremo do Primeiro Domínio era promover uma nova era de governo Élfico sob Tamriel para proteger a terra das ações descuidadas das raças mais jovens. Isso nunca foi atingido, e o Domínio eventualmente se dissolveu.

Segundo Domínio

O Segundo Domínio foi formado em 2E 830 quando as Ilhas do Semprestio conquistaram a Floresta de Valen por maio de uma disputa dinástica. Quando os herdeiros da Dinastia Camoran procuraram capturar o trono da Floresta de Valen, uma facção de Bosmer tantaram fazer paz com seus inimigos nos Estados Colovianos oferecendo parte do território da Floresta de Valen em troca dos requerentes da própria facção. Os Altmer, após ouvirem isso, invadiram a Floresta de Valen, citando uma cláusula administrativa em um tratado de mil anos atrás entre suas nações.[4] Os Altmer estabeleceram o Thalmor como seu novo governo na Floresta de Valen por parte de sua clamante Camoran Anaxemes, cujo os ancestrais fizeram o tratado. Desde que o Interregno ainda agarrava Tamriel, os exércitos Colovianos foram facilmente derrotados pelos elfos e o Segundo Domínio Aldmeri nasceu. Nos próximos anos, o Thalmor fortaleceram seu controle na Floresta de Valen e tribos Bosmer continuaram a batalhar com os Estados Colovianos. Os elfos também fizeram aliança com alguns Povos da Campina, os Maormer de Pyandonea e a Confederação de Elsweyr.

Enquanto isso, Tiber Septim crescia seu poder em Cyrodiil, e iniciou sua conquista de Tamriel. O nascente Terceiro Império expandiu e invadiu o território do Domínio, forçando os ataques Bosmer a diminuírem. Apesar de seus contratempos militares em terra, no mar as forças Élficas eram consideravelmente mais fortes e implacáveis mantendo as águas do sul desde o Cabo da Divisa Azul até a Baía Topal. Apesar de não ter tido nenhuma declaração formal de guerra entre o Domínio e o Império, Tamriel ficou dividida entre eles em um desdobramento de conflito de civilizações. O catastrófico uso do Numidium terminou um longo confronto em 2E 896, resultando na rendição das Ilhas do Semprestio e a conquista humana de Tamriel. O Segundo Domínio iria representar a última vez em séculos que os Elfos de Tamriel governaram reinos poderosos no continente, o legado das posses dos Direnni e Aldmer.

Terceiro Domínio

A Crise de Oblivion que terminou a Terceira Era e enfraqueceu o Império providenciou a oportunidade para o Terceiro Domínio se formar. O Thalmor, que sobreviveram como uma facção política marginalizada que defendia a superioridade Élfica, se pintaram como os salvadores das Ilhas do Semprestio durante a Crise. O público Altmer acreditou nesses ditos, e com o Império muito desalinhado para reafirmar sua autoridade,a popularidade do Thalmor aumentou. Em 4E 22, o Thalmor solidificou sua posição e apreenderam total controle das Ilhas do Semprestio, as renomeando Alinor. Sete anos depois, um golpe apoiado pelo Thalmor destronou o governo da Floresta de Valen, expulsando forças Imperiais e seus apoiadores Bosmer. Alinor e a Floresta de Valen então proclamaram uma união, e o Domínio Aldmeri havia renascido.

Pelos próximos 70 anos todo contato entre o Domínio e o Império foi cortado, levando a conclusão de uma inquietação civil em Alinor. Qualquer fosse a causa desse silencio, ele terminou em 4E 100 com a redução das Noites Vazias: os Thalmor declararam que eles causaram o retorno de Masser e Secunda. Isso os ganhou grande favor da antiga província Imperial de Elsweyr; os Khajiit em particular sofreram na abstenção das luas. Sob influência Thalmor, Elsweyr se dividiu nos reinos de Anequina e Pelletine em 4E 115, que logo após se tornaram estados-clientes do Domínio.

Conforme o Domínio crescia, da mesma forma faziam as tensões no Império. Em 4E 171, os Thalmor invadiram Martelfell e Cyrodiil após o Imperador Titus Mede II rejeitar seu ultimato, abrindo a Grande Guerra. Inicialmente buscando apenas adicionar Martelfell a seu território, os Thalmor logo notaram que o Império estava muito mais fraco do que eles haviam pensado antes a avançaram mais fundo em Cyrodiil. A Cidade Imperial caiu em 4E 174, mas Titus II escapou e se juntou a legiões imperiais estacionadas em Skyrim, onde ele bolou seu contra-ataque. O exército Thalmor em Cyrodiil foi obliterado na Batalha do Anel Vermelho, sua maior derrota, o ano seguinte.

Ao invés de capitalizar em sua vitória para expulsar os Thalmor de Martelfell ou atacar o Domínio, Titus II reconheceu que as legiões Imperiais estavam exaustas e decidiu concordar com o Tratado Ouro-Branco. Sob os termos do Tratado, a Grande Guerra terminou formalmente, culto de Talos foi banido no Empire, e uma porção significativa do sul de Martelfell foi cedida ao Domínio. Com raiva devido aos termos, Martelfell rejeitou o Tratado, forçando Titus II a renuncia-la como província Imperiais. Os Thalmor continuaram lutando com Martelfell pelos próximos cinco anos, mas assinaram o Segundo Tratado de Stros M'Kai e recuaram completamente da região quando a guerra chegou a um impasse.[5]

Por volta de 4E 201, o Domínio e o Império haviam estabelecido uma paz inquieta. Quando Skyrim se tornou envolvida em uma guerra civil entre legalistas Imperiais e separatistas Tempesmantos, o Domínio observou o conflito cautelosamente. Um alonga guerra civil iria manter tanto Skyrim quanto o Império distraídos e desequilibrados, mas uma vitória de qualquer facção impediria os planos do Domínio, de uma forma ou de outra.[6] Acredita-se que qualquer fosse o desfecho, um segundo conflito entre o Domínio e o Império é inevitável.

Veja Também

  • Para informações específicas de jogo sobre o Primeiro Domínio, veja o artigo de ESO.

Livros

Referências

  1. ^ Bem-vindo aos Novos Aldmeri IrregularesAicantar de Shimmerene, Sapiarca de Indoutrinação
  2. ^ a b O Leiloeiro de Chorrol
  3. ^ a b Ayrenn – A Rainha ImprevistaDiretor Tanion do Colégio de Propriedade Aldmeri
  4. ^ Guia de Bolso do Império, 1º Edição: Domínio AldmeriSociedade Geográfica Imperial, 2E 864
  5. ^ Um Conto Conciso da Grande Guerra entre o Império e o Domínio AldmeriLegado Justianus Quintius
  6. ^ Dossiê Thalmor: Ulfric Tempesmanto