Morrowind:2920, Sun's Dawn

A UESPWiki – Sua fonte de The Elder Scrolls desde 1995
MW-icon-book-Book1.png
Informações do Livro
ID BookSkill_Mysticism2
Veja também Versão da Lore
Anterior Morning Star Próximo First Seed
Value 275 Weight 3.0
Skill Mysticism
Localizações
Encontrado nos seguintes lugares:
Volume 2 de uma série histórica sobre Vivec e o Império


3 Aurora Solar, 2920
A Ilha de Artaeum, Semprestio

Sotha Sil assistiu seus aprendizes flutuarem um por um até a árvore pegando uma fruta ou flor de seus altos galhos antes de voltar ao chão com variados níveis de graciosidade. Ele tomou um momento enquanto assentia com sua cabeça em aprovação para admirar o dia. A estátua caiada de branco de Syrabane, a qual se dizia que o grande mago havia posado para em dias antigos, se mantinha no precipício de um penhasco com vista para a baía . Flores roxas pálidas de proscato iam e vinham na brisa suave. Além, oceano, e a fronteira mística entre Artaeum e a ilha principal de Semprestio.

"Em geral, aceitável," ele anunciou enquanto a última estudante jogava sua fruta em sua mão. Com um agitar de sua mão, as frutas e flores estavam de volta na árvore. Com outro movimento, os estudantes haviam ficado em posição em um semicírculo ao redor do mago. Ele tirou uma pequena bola fibrosa de suas vestes brancas, de aproximadamente um pé de diâmetro.

“O que é isso?"

Os estudantes entenderam o teste. Pedia para que eles usassem um feitiço de identificação no objeto misterioso. Cada iniciante fechou seus olhos e imaginou a bola no reino da Verdade universal. Sua energia tinha uma ressonância única assim como toda matéria física e espiritual possui, um aspecto negativo, uma versão duplicada, caminhos relativos, verdadeiro significado, uma canção no cosmos, uma textura na fábrica do espaço, uma faceta de ser que sempre existiu e sempre existirá.

“Uma bola," disse um jovem Nord chamado Welleg, que trouxe risos de alguns dos iniciantes mais novos, mas uma carranca da maioria, incluindo Sotha Sil.

"Se você for estúpido, pelo menos seja divertido," rosnou o mago, e então olhou para uma jovem moça Altmer de cabelos negros que parecia confusa. "Lilatha, você sabe?"

“É grom,” disse Lilatha, incerta. “ O que os dreugh meffam depois de fazerem k-k-kr-krevinasim.”

“Karvinasim, mas muito bom, no entanto,” disse Sotha Sil. “Agora, me diga, o que isso significa?”

“Eu não sei,” admitiu Lilatha. O resto dos estudantes também sacudiram suas cabeças.

“Existem camadas para entender todas as coisas,” disse Sotha Sil. “O homem comum olha para um objeto e o coloca em um lugar de sua maneira de pensar. Aqueles habilitados nos Caminhos Antigos, no caminho de Psijic, em Misticismo, , podem ver um objeto e identifica-lo por seu papel próprio. Mas é preciso descascar mais uma camada para se atingir o entendimento. Nesse caso, essa bola é realmente grom, que é uma substância criada pelos dreugh, uma raça subaquática das partes norte e oeste do continente. Por um ano de suas vidas, eles fazem karvinasim quando andam pela terra. Após isso, eles voltam para a água e meffam, ou devoram sua pele e órgãos que precisavam para andar sobre a terra. Então eles vomitam tudo em pequenas bolas como essa. Grom. Vômito de dreugh.”

Os estudantes olharam para a bola um pouco enojados. Sotha Sil amava essa aula.


4 Aurora Solar, 2920
A Cidade Imperial, Cyrodiil

“Espiões,” murmurou o Imperador, sentando na banheira, encarando um caroço em seu pé. “Todos ao meu redor, traidores e espiões.”

Sua amante Rijja lavava suas costas, suas pernas envolvidas em sua cintura. Ela sabia após todos esses anos quando ser sensual e quando ser sexual. Quando ele estava com o humor assim, era melhor ser calmamente, suavemente, sedutoramente sensual. E não dizer uma só palavra a não ser que ele a fizesse uma pergunta direta.

A qual ele fez: “O que você pensa quando um indivíduo pisa no pé de sua Majestade Imperial e diz ‘Me desculpe, Vossa Majestade Imperial’? Você não acha ‘Me perdoe, Vossa Majestade Imperial’ é mais apropriado? ‘Me desculpe’, bem isso soa quase como um Argoniano bastardo estava se desculpando, e eu sou Vossa Majestade Imperial. Parece que ele quer que percamos a guerra com Morrowind, isso sim é o que parece.”

“O que te faria se sentir melhor?” perguntou Rijja. “Você gostaria que ele fosse açoitado? Ele é apenas, como você diz, o Chefe de Batalha de Soulrest. O ensinaria sobre onde ele está pisando.”

“Meu pai teria açoitado ele. Meu avô o teria matado,” o Imperador resmungou. “Mas eu não me importo que todos eles pisem em meu pé, desde que me respeitem. E não conspirem contra mim.”

“Você deve confiar em alguém.”

“Apenas em você,” sorriu o Imperador, se virando ligeiramente para dar um beijo em Rijja. “ E meu filho Juilek, eu acho, mesmo que eu desejo que ele fosse um pouco mais cuidadoso.”

“E seu conselho, e o Potentado?” perguntou Rijja.

“Um bando de espiões e uma cobra,” o Imperador riu, beijando sua amante novamente. Conforme eles começaram a fazer amor,ele sussurrou, “Desde que você seja verdadeira, eu posso lidar com o mundo.”


13 Aurora Solar, 2920
Forte da Lamentação, Morrowind

Turala permaneceu em frente aos negros, enfeitados portões da cidade. Um vento uivava ao seu redor, mas ela não sentia nada.

O Duque ficou furioso após ouvir que sua concubina favorita estava grávida e a mandou para fora de vista. Ela tentou de novo e de novo ver ele, mas seus guardas a enxotavam. Finalmente, ela voltou para sua família e os contou a verdade. Se ela pelo menos tivesse mentido e dito que não sabia quem o pai era. Um soldado, um aventureiro andarilho, um qualquer. Mas ela os contou que o pai era o Duque, um membro da Casa Indoril. E eles queriam que ela soubesse o que eles teriam que fazer, como honrados membros da Casa Redoran.

Sobre suas mãos foi queimado o símbolo de Expulsão que seu pai chorando havia marcado nela. Mas a crueldade do Duque a machucou muito mais. Ela olhou para o portão e para as selvagens planícies de inverno. Ela deveria ir para longe.

Com lentos, tristes passos, ela começou sua jornada.


16 Aurora Solar, 2920
Senchal, Anequina (moderna Elsweyr)

O que o incomoda?” perguntou a Rainha Hasaama, notando o humor amargo de seu marido. No final da maioria dos Dias dos Amantes ele estava em excelente humor, dançando no salão com todos os convidados, mas essa noite ele se retirou mais cedo. Quando ela o encontrou ele estava enrolado na cama, carrancudo.

“Aquele conto do bardo sobre Polydor e Eloisa me colocou em estado podre,” ele rosnou. “Por que eles tinham que ser tão deprimentes?”

“Mas não é essa a verdade da fábula, meu amor? Eles não foram condenados por causa da natureza cruel do mundo?”

“Não importa qual é a verdade, ele fez um trabalho podre de contar uma fábula podre, e eu não vou deixar que ele faça isso novamente,” Rei Dro’Zel levantou da cama. Seus olhos estavam cheios de lágrimas. “De onde eles disseram que ele era?”

“Acho que de Gilverdale no leste da Floresta de Valen,” disse a Rainha, abalada. “Meu marido, o que você vai fazer?”

Dro’Zel estava fora do quarto com um único salto, subindo as escadas para sua torre. Se a rainha Hasaama soubesse o que seu marido estava indo fazer, ela tentaria impedi-lo. Ele tinha sido errático há um tempo, propenso à ajustes e até ocasionais convulsões. Mas ela nunca suspeitou das profundezas de sua loucura, e sua aversão ao bardo e sua fábula da crueldade e perversidade encontrada no homem mortal.


19 Aurora Solar, 2920
Gilverdale, Floresta de Valen

“Me ouça novamente,” disse o velho carpinteiro. “Se a cela três possui cobre vagabundo, então a cela dois possui a chave de ouro. Se a cela um possui a chave de ouro, então a cela três possui cobre vagabundo. Se a cela dois possui cobre vagabundo, então a cela um possui a chave de ouro.”

“Eu entendo,” disse a moça. “Você me disse. E então a cela um contém a chave de ouro, certo?”

“Não,” disse o carpinteiro. “Deixa eu começar do princípio.”

“Mamãe?” disse o pequeno garoto, puxando a manga de sua mãe.

“Só um momento meu querido, a mamãe está conversando,” ela disse, concentrando na charada. “Você disse ‘cela três contém a chave de ouro se a cela dois possui o cobre vagabundo’, certo?”

“Não,” disse o carpinteiro pacientemente. “Cela três possui cobre vagabundo, se a cela dois --”

“Mamãe!” berrou o garoto. Sua mãe finalmente olhou.

Uma névoa vermelha brilhante estava caindo sobre a cidade em uma onda, engolindo construções após construções em sua onda. Estridente na frente estava um gigante de pele vermelha. O Daedra Molag Bal. Ele estava sorrindo.


29 Aurora Solar, 2920
Gilverdale, Floresta de Valen

Almalexia parou seu corcel no vasto pântano de lama e o deixou beber água do rio. Ele se recusou, parecendo mesmo repelido pela água. Isso a pareceu estranho: eles haviam feito um tempo excelente de Forte da Lamentação, e com certeza ele estaria sedento. Ela desmontou e se juntou a sua comitiva.

“Onde estamos agora?” ela perguntou.

Uma das suas senhoras puxou um mapa. “Acho que estamos nos aproximando de uma cidade chamada Gilverdale.”

Almalexia fechou seus olhos e os abriu novamente de forma rápida. A visão era muito para suportar. Conforme seus companheiros assistiam, ela pegou um pedaço de tijolo e um fragmento de osso e agarrou eles a seu coração.

“Devemos continuar para Artaeum,” ela disse discretamente.

O Ano Continua em Primeira Semeadura.