Online:An Accounting of the Elder Scrolls

A UESPWiki – Sua fonte de The Elder Scrolls desde 1995
ON-icon-book-Generic 414.png
Informações do Livro
Veja também Versão da Lore
Coleção Legends of Nirn
Localizações
Encontrado nos seguintes lugares:
An Accounting of the Elder Scrolls
by Quintus Nerevelus, Former Imperial Librarian
An author's report on the Elder Scrolls and his subsequent entry into the Cult of the Ancestor Moth


Após o suposto roubo de um Pergaminho Ancião de nossa Biblioteca Imperial, eu tentei encontrar qualquer tipo de índice ou catálogo dos Pergaminhos que possuímos para que tais situações possam ser evitadas (ou pelo menos devidamente verificadas) no futuro. Para meu espanto, descobri que os Sacerdotes Mariposas são notoriamente inexatos quando se trata das manifestações físicas reais dos Pergaminhos, e não tinham ideia de quantas pessoas possuíam ou de como eram organizados. Simplesmente fazendo a pergunta, risadas eram evocadas, como se uma criança estivesse perguntando por que os cães não podem falar.

Vou confessar, minha inveja dos que conseguem ler os Pergaminhos cresce, mas ainda não estou disposto a sacrificar minha visão ao suposto conhecimento. Os Sacerdotes Mariposas mais velhos que eu tento engajar em conversa parecem tão insanos quanto qualquer outro ancião que perdeu a cabeça, então não consigo ver que sabedoria é dada pela leitura.

De qualquer forma, comecei a criar meu próprio índice dos Pergaminhos Anciãos, em cooperação com os monges. Dia após dia, nós passávamos pelos corredores da torre, com eles me contando a natureza geral de cada Pergaminho Ancião para que eu pudesse registrar sua localização. Sempre com cuidado para nunca vislumbrar os escritos, eu tinha apenas a palavra deles para continuar. Eu meticulosamente extraí um mapa das câmaras, onde Pergaminhos relativos a várias profecias específicas estavam localizados, onde períodos particulares da história foram abrigados. Ao todo, demorou quase um lento ano, mas finalmente eu tinha anotações grosseiras sobre a totalidade da biblioteca para começar minha colação.

Foi aqui que as coisas começaram a dar errado. Ao estudar minhas anotações, encontrei muitas áreas de sobreposição e contradição absoluta. Em alguns casos, diferentes monges afirmavam que o mesmo pergaminho estava nas extremidades opostas da torre. Eu sei que eles não têm gosto por brincadeiras, senão eu suspeitaria que estava sendo feito de bobo em algum jogo deles.

Falei com um dos monges mais velhos para relatar minhas preocupações, e ele abaixou a cabeça em tristeza pelo meu tempo perdido. "Eu não lhe contei", ele tossiu, "quando você começou isto, que todos os esforços seriam inúteis? Os Pergaminhos não existem de forma contábil."

"Eu pensei que você quis dizer que havia muitos para serem contados."

"Existem, mas essa não é a menor das suas complexidades. Vire-se para o repositório atrás de você e me diga quantos Pergaminhos estão trancados nele."

Passei meus dedos pelos cartuchos de metal, contando cada borda arredondada que eles encontraram. Eu virei-me - "Quatorze", eu disse.

"Me dê o oitavo", ele disse, estendendo a mão.

Eu guiei o cilindro em sua palma, e ele deu um leve aceno para reconhecê-lo. "Agora, conte de novo."

Humorizando-o, passei novamente minhas mãos pelos Pergaminhos, mas não pude acreditar no que estava sentindo.

"Agora ... agora são dezoito!" Eu suspirei.

O velho monge riu, suas bochechas erguendo sua venda até que ela se dobrou. "E, de fato", ele disse, "sempre houve".

Foi então que me matriculei como o noviço mais velho já aceito no Culto da Mariposa Ancestral.