Lore:A História de Aevar Cantor de Pedra

A UESPWiki – Sua fonte de The Elder Scrolls desde 1995
Visto Em:
A História de Aevar Cantor de Pedra
Mito Skaal tradicional sobre a jornada de um jovem Skaal para recuperar os Presentes do Todo-Criador


"Sente-se calmamente, Criança, e ouça, porque a história que te conto é uma história das eras."

"Mas o que é isso, Vovô? É uma história de heróis e bestas?"

O avô olhou pacientemente para a criança. Ele estava se tornando um ótimo garoto. Logo ele veria o valor nas histórias, as lições que eram ensinadas a cada geração. "Apenas ouça, Criança. Deixe a história se enraizar em seu coração."


Em uma época anterior, muito antes de agora, quando Skaal era novo, havia paz na Terra. O sol estava quente e as plantações cresciam muito, e as pessoas estavam felizes com a paz que o Todo-Criador fornecia. Mas os Skaal tornaram-se complacentes e preguiçosos, e eles tomaram como certo as Terras e todos os presentes que o Todo-Criador lhes dera. Eles esqueceram, ou preferiram não lembrar, que o Adversário está sempre observando, e que ele se deleita em atormentar o Todo-Criador e seu povo escolhido. E assim foi que o Adversário veio a estar entre os Skaal.

O Adversário tem muitos aspectos. Ele aparece nas bestas profanas e na peste incurável. No final das estações, vamos conhecê-lo como Thartaag, o Devorador de Mundos. Mas nessas eras ele passou a ser conhecido como o Homem Ganancioso.

O Homem Ganancioso (é assim que nós o chamamos, porque falar seu nome certamente traria ruína ao povo) viveu entre os Skaal por muitos meses. Talvez ele tenha sido apenas um homem, mas quando o Adversário entrou nele, ele se tornou o Homem Ganancioso, e é assim que ele é lembrado.

Chegou a ser um dia que os poderes dos Skaal os deixaram. A força deixou os braços dos guerreiros e os xamãs não podiam mais convocar os animais ao lado deles. Os anciãos pensaram que certamente o Todo-Criador estava descontente, e alguns sugeriram que o Todo-Criador os havia deixado para sempre. Foi então que o Homem Ganancioso apareceu para eles e falou.

"Vocês Skaal ficaram gordos e preguiçosos. Eu roubei os presentes de seu Todo-Criador. Eu roubei os Oceanos, assim vocês sempre conheceram a sede. Eu roubei as Terras e as Árvores e o Sol, então suas plantações secarão e morrerão. Eu roubei as bestas, assim vocês passarão fome E eu roubei os ventos, assim você viverão sem o Espírito do Todo-Criador.

"E até que um de vocês possa recuperar esses dons, os Skaal viverão na miséria e no desespero. Pois eu sou o Homem Ganancioso, e essa é a minha natureza."

E o Homem Ganancioso desapareceu.

Os membros dos Skaal falaram por muitos dias e noites. Eles sabiam que um deles deveria recuperar os Presentes do Todo-Criador, mas não conseguiam decidir quem deveria ser.

"Eu não posso ir," disse o Ancião, "pois eu devo ficar para liderar os Skaal e dizer ao nosso povo qual é a lei".

"Eu não posso ir," disse o Guerreiro, "pois eu devo proteger os Skaal. Minha espada será necessária no caso do Homem Ganancioso reaparecer".

"Eu não posso ir", disse o Xamã, "pois as pessoas precisam da minha sabedoria. Eu preciso ler os presságios e oferecer meus conhecimentos".

Foi então que um jovem chamado Aevar levantou a voz. Ele era forte de braço e ligeiro de pé, embora ainda não fosse um guerreiro do Skaal.

"Eu irei", disse Aevar, e os Skaal riram.

"Me escutem," continuou o garoto. "Eu ainda não sou um guerreiro, então minha espada não será necessária. Eu não posso ler os presságios, então as pessoas não buscarão meu conselho. E eu sou jovem, e ainda não sou sábio nos caminhos da lei. Eu recuperarei os Presentes do Todo-Criador do Homem Ganancioso. Se eu não conseguir, não farei falta."

Os Skaal pensaram nisso brevemente e decidiram deixar Aevar ir. Ele saiu da aldeia na manhã seguinte para recuperar os Presentes.

Aevar primeiro partiu para recuperar o Presente da Água, então ele viajou para a Pedra da Água. Foi lá que o Todo-Criador falou com ele pela primeira vez.

"Viaje para o oeste até o mar e siga o Nadador até as Águas da vida."

Então Aevar caminhou até a beira do oceano, e lá estava o Nadador, um Horker Negro, enviado do Todo-Criador. O nadador mergulhou nas águas e nadou muito longe e longe novamente. Aevar era forte e nadou forte. Ele seguiu o nadador até uma caverna, nadando mais e mais, seus pulmões queimando e seus membros exaustos. Por fim, encontrou uma bolsão de ar e, lá no escuro, encontrou as Águas da Vida. Reunindo suas forças, ele tomou as águas e nadou de volta para a praia.

Ao retornar à Pedra da Água, o Todo-Criador falou. "Você devolveu o Presente da Água aos Skaal. Os Oceanos novamente darão frutos, e sua sede será extinta."

Aevar então viajou para a Pedra da Terra, e lá o Todo-Criador falou com ele novamente.

"Entre na Caverna da Música Oculta e ouça a Canção da Terra."

Então Aevar viajou para onorte e para o leste até a Caverna da Música Oculta. Ele encontrou-se em uma grande caverna, onde as rochas pendiam do teto e cresciam do próprio solo. Ele ouviu lá e ouviu a Canção da Terra, mas era fraca. Agarrando sua maça, ele bateu nas pedras do chão a tempo com a Canção, e a Canção ficou mais alta, até que encheu a caverna e seu coração. Então ele voltou à Pedra da Terra.

"O Presente da Terra está novamente com os Skaal", disse o Todo-Criador. "As terras são ricas novamente e suportarão vida."

Aevar estava cansado, pois o Sol o queimava, as árvores não ofereciam sombra e não havia vento para resfriá-lo. Ainda assim, ele viajou para a Pedra da Besta, e o Todo-Criador falou.

"Encontre a Boa Besta e alivie seu sofrimento."

Aevar viajou pelas florestas de Isinfier por muitas horas até ouvir os berros de um urso de uma colina. Quando ele chegou ao topo de uma colina, viu o urso, a flecha de um Falmer perfurando seu pescoço. Ele checou a floresta para os Falmer (pois é isso que eles eram, embora alguns digam que não são), e não encontrando nenhum, aproximou-se da besta.

Falava palavras tranquilizadoras e aproximou-se lentamente, dizendo: "Boa Besta, não quero mal a você. O Todo-Criador me enviou para aliviar seu sofrimento".

Ouvindo essas palavras, o urso parou suas lutas e colocou a cabeça aos pés de Aevar. Aevar agarrou a flecha e puxou-a do pescoço do urso. Usando a pequena magia da natureza que ele conhecia, Aevar cuidou do ferimento, embora tenha tomado o último pouco de sua força. Quando a ferida do urso se fechou, Aevar dormiu.

Quando ele acordou, o urso ficou em pé sobre ele, e os restos de vários Falmer estavam espalhados. Ele sabia que a Boa Besta o protegera durante a noite. Ele viajou de volta para Pedra da Besta, o urso ao seu lado, e o Todo-Criador falou com ele novamente.

"Você devolveu o Presente das Bestas. Mais uma vez, as Boas Feras alimentarão os Skaal quando estiverem com fome, os vestirão quando estiverem com frio e as protegerão em tempos de necessidade."

A força de Aevar havia retornado, então ele viajou para a Pedra da Árvore, embora a Boa Besta não o seguisse. Quando ele chegou, o Todo-Pai falou com ele.

"As Primeiras Árvores se foram e devem ser replantadas. Encontre a semente e plante a Primeira Árvore."

Aevar viajou novamente através da Floresta Hirstaang, procurando as sementes da Primeira Árvore, mas não conseguiu encontrar nenhuma. Então ele falou para os Espíritos das Árvores, as árvores vivas. Eles lhe disseram que as sementes tinham sido roubadas por um dos Falmer (pois eles são os servos do Adversário), e este Falmer estava escondendo-os no fundo da floresta, de modo que ninguém jamais os encontraria.

Aevar viajou para a parte mais profunda da floresta, e lá ele encontrou o malvado Falmer, cercado pelos Espíritos das Árvores Menores. Aevar podia ver que os Espíritos estavam sob sua influência, que ele usara a magia das Sementes e pronunciara seu nome secreto. Aevar sabia que ele não poderia resistir a tal força, e que ele deveria recuperar as sementes em segredo.

Aevar enfiou a mão na bolsa e retirou a pederneira. Juntando folhas, ele iniciou um pequeno incêndio fora da clareira onde os Falmer e os encantados Espíritos trabalhavam. Todos os Skaal conhecem o ódio dos espíritos pelos incêndios, pois os fogos assolam as árvores que servem. Imediatamente, a Natureza dos Espíritos se firmou e eles correram para reprimir as chamas. Durante a comoção, Aevar se escondeu atrás do Falmer e pegou a bolsa de Sementes, roubando antes que o ser maligno soubesse que elas tinham sumido.

Quando Aevar retornou à Pedra da Árvore, ele plantou a árvore no chão, e o Todo-Criador falou com ele.

"O Presente das Árvores está restaurado. Mais uma vez, as Árvores e as Plantas irão florescer e crescer, e fornecer nutrição e sombra."

Aevar estava cansado, pois o Sol só queimava, e os Ventos ainda não o esfriavam, mas ele descansou brevemente à sombra das Árvores. Suas pernas estavam cansadas e seus olhos pesados, mas ele continuou, viajando para a Pedra do Sol. Novamente, o Todo-Criador falou.

“O gentil calor do Sol foi roubado, então agora ele só queima. Liberte o Sol dos Salões da Penumbra”

E assim Aevar caminhou para o oeste, sobre as terras congeladas até chegar aos Salões da Penumbra. O ar lá dentro era denso e pesado, e ele não conseguia enxergar mais do que a ponta do braço. Ainda assim, ele sentiu o caminho ao longo das paredes, embora tenha ouvido o arrastar de pés e soubesse que este lugar continha as Bestas Profanas que rasgariam sua carne e comeriam seus ossos. Por horas ele se arrastou, até que ele viu um fraco brilho no final do corredor.

Lá, por trás de uma camada de gelo perfeito, veio um brilho tão brilhante que ele teve que fechar os olhos, para não ficarem cegos. Ele arrancou o olho flamejante de uma das Bestas Profanas e jogou-o no gelo com toda a força. Uma pequena rachadura apareceu no gelo e depois ficou maior. Lentamente, a luz se esgueirou entre as rachaduras, alargando-as, dividindo a parede de gelo em pedaços. Com uma fenda ensurdecedora, a parede desmoronou, e a luz correu por Aevar e pelos corredores. Ele ouviu os gritos das Bestas Profanas quando eles foram cegados e queimados. Ele correu para fora dos salões, seguindo a luz, e desabou no chão do lado de fora.

Quando ele foi capaz de se levantar novamente, o Sol novamente o aqueceu, e ele ficou feliz por isso. Ele viajou de volta para a Pedra do Sol, onde o Todo-Criador falou com ele.

"O Presente do Sol é dos Skaal novamente. Ele vai aquecê-los e iluminá-los."

Aevar tinha um presente final que ele a recuperar, o Presente dos Ventos, então ele viajou à Pedra do Vento, longe na costa oeste da ilha. Quando ele chegou, o Todo-Criador falou com ele, dando-lhe sua última tarefa.

"Encontre o Homem Ganancioso e libere o vento de seu cativeiro."

Então, Aevar vagou pela terra em busca do Homem Ganancioso. Ele olhou nas árvores, mas o Homem Ganancioso não se escondeu lá. Ele também não se escondeu perto dos oceanos, ou das cavernas profundas, e os animais não o tinham visto nas florestas escuras. Finalmente, Aevar chegou a uma casa torta e sabia que ali encontraria o Homem Ganancioso.

"Quem é você," gritou o homem ganancioso, "que vem à minha casa?"

"Eu sou Aevar dos Skaal," disse Aevar. "Eu não sou guerreiro, xamã ou ancião. Se eu não retornar, eu não farei falta. Mas eu retornei os Oceanos e a Terra, as Árvores, as Feras e o Sol, e eu retornarei os Ventos para meu povo, para que possamos sentir o espírito do Todo-Criador em nossas almas novamente."

E com isso, ele pegou a bolsa do Homem Ganancioso e abriu-a. Os Ventos correram para fora com força de vendaval, varrendo o Homem Ganancioso e levando-o para longe da ilha. Aevar respirou os ventos e ficou feliz. Ele caminhou de volta para a Pedra do Vento, onde o Todo-Criador falou com ele uma última vez.

“Você fez bem, Aevar. Você, o menor dos Skaal, devolveu meus presentes para eles. O Homem Ganancioso já se foi e não deve incomodar seu povo novamente em sua vida. Seu Todo-Criador está satisfeito. Vá agora, e viva de acordo com a sua natureza."

E Aevar voltou para a aldeia Skaal.


"E o que aconteceu então, Vovô?"

"O que quer dizer, Criança? Ele voltou para casa."

"Não. Quando ele retornou ao vilarejo," a Criança continuou. "Ele foi feito guerreiro? Ou ensinou os caminhos do xamã? Ele liderou os Skaal em batalha?"

"Eu não sei. É aí que a história acaba," disse o Avô.

"Mas isso não é um fim! Não é assim que histórias acabam!"

O velho homem riu e levantou de sua cadeira.

"Não é?"