Online:Ruminations on the Elder Scrolls

A UESPWiki – Sua fonte de The Elder Scrolls desde 1995
ON-icon-book-Generic 555.png
Informações do Livro
Veja também Versão da Lore
Coleção Myths of the Mundus
Localizações
Encontrado nos seguintes lugares:
Ruminations on the Elder Scrolls
by Septimus Signus, College of Winterhold
A philosophical view on the role of the Elder Scrolls


Imagine viver sob as ondas com uma forte visão abençoada do mais excelente tecido. Segurando o tecido sobre suas guelras, você começa a respirar-beber suas urdiduras e tramas. Embora as fibras de matéria vegetal impregnem sua alma, o miserável plankton profanaria o pano até empestear-se aos céus da profecia. Essa é uma maneira na qual os Pergaminhos vêm à tona, mas nós somos os mares, ou o respirador, ou o tecido? Ou somos a própria respiração?

Poder fluir através dos Pergaminhos conforme o conhecimento flui, sendo a água, ou nós somos o atoleiro de sujeira marítima que se junta na beira?

Imagine, novamente, mas dessa vez diferente. Um pássaro crestando ao vento é erguido por uma rajada e levado à baixo por uma pedra. Mas a pedra pode vir de cima, se o pássaro estiver ao contrário. De onde, então, a rajada veio? E de que direção? Os deuses enviaram ambos, ou o pássaro decretou suas presenças com sua própria mentalidade?

A visão geral dos Pergaminhos faz com que a mente volte a girar de tal forma que as posições relativas são absolutas em sua primazia.

Eu peço novamente para você imaginar para mim. Dessa vez você está sob o chão, uma pequena bolota plantada por alguma donzela élfica bem intencionada dos bosques por prazer dela. Você deseja crescer mas teme o que pode se tornar, então você evita a água, a terra, o sol, para ficar em seu buraco. Mas nesse mesmo empurrar você se torna uma árvore, em despeito à sí. Como isso aconteceu?

Essa bolota é uma espécie de ovo de árvore nesse sentido, e conhecimento é água e sol. Nós somos o frango dentro do ovo, mas também a terra. O conhecimento dos Pergaminhos é o que nós empurramos contra tornamo-nos totalmente conscientes de nós mesmos.

Uma imaginação final antes de suas mentes se fecharem ao choque do eterno conhecimento. Você é agora uma chama queimando azul num vasto vazio. Em tempo você vê seus irmãos e irmãs, queimas também, em distância e ao seu lado. Um mar de apontamentos, uma constelação de memórias. Cada queima brilha, e então cintila. Então, mais dois tomam seu lugar, mas não para sempre, para que o vazio se encha de luz rançosa que suga o pensamento.

Cada uma de nossas mentes é na verdade o vazio, e aprender dos Pergaminhos são os apontamentos. Sem a luz apunhaladora, minha consciência seria um vasto nada, desconhecendo seu vazio como o vazio é desconhecimento de sí. Mas as queimas são perigosas, e devem ser cuidadosamente tendidas e pensadas e trazidas a si próprias e espalhadas aos seus irmãos.

(Nota pela Irmão Mariposa Ancestral Quintus Nerevelus: Encontrei esse na parte de trás das pilhas atrás do Pergaminho de Rhunen. Estava lá obviamente à muito tempo, no entanto, o sigilo da impressora registra sua data de publicação como "4E 195". Este é obviamente um erro de transcrição. Eu acho.)