Online:Father of the Niben, Fragment One

A UESPWiki – Sua fonte de The Elder Scrolls desde 1995
ON-icon-book-Generic 434.png
Informações do Livro
Veja também Versão da Lore
Anterior None Próximo Fragment Two
Skill Bow
Coleção Skill Books
Father of the Niben, Fragment One
Incorporating Fragment One
Fragment of a journal of Topal the Pilot, translated and with commentary

Introdução:

Escrever a biografia de qualquer um é um desafio. Normalmente o problema reside em conciliar as fontes, comparar os preconceitos de uma crônica e outra. Existe apenas um registro do homem chamado Topal o Navegador, o primeiro explorador Aldmeri de Tamriel que se conhece. Apenas quatro curtos fragmentos de versos do épico “Pai do Niben” sobreviveram até os dias atuais, mas eles oferecem uma visão interessante e até controversa sobre os Meados da Era Merética quando Topal o Navegador navegou pelos mares entorno de Tamriel.

Apesar de “Pai do Niben” ser o único registro das viagens de Topal o Navegador, não é a única prova de sua existência. Dentre os tesouros da grandiosa Torre de Cristal das Ilhas do Semprestio estão os seus crus, mas fascinantes mapas, seu legado para toda Tamriel.

A tradução do Aldmeri Udhendra Nibenu, " Pai do Niben," é própria minha, e eu aceito que outros estudiosos podem discordar com algumas escolhas de palavras que fiz. Não posso prometer que minha tradução se equipare a beleza do original: eu apenas lutei pela simples coerência.

Fragmento Um:

Segundo navio, o Pasquiniel, guiado pelo Navegador
Illio, iria seguir para o sul apontado pela
Pedra do Caminho; e o terceiro, o Niben, guiado
Pelo navegador Topal, seguiria o nordeste apontado pela
Pedra do Caminho; as ordens da
Torre de Cristal, ele iriam navegar por
Oitenta luas e então retornar para contar.
Apenas o Niben retornou para Primalia, carregado com
Ouro e especiarias e peles e criaturas estranhos,
Mortas e vivas.
Contudo, porém, Antiga Ehlnofey Topal nunca encontrou, ele
Contou fábulas das terras que visitou para o
Maravilhar de todos.
Por sessenta e seis dias e noites, ele navegou, por ondas
Violentas de terrível intenção, por redemoinhos, por
Névoa que queimava como fogo, até que chegou na
Boca de uma grande baía e atracou em
Um prado ensolarado de vegetação suave.
Enquanto ele e seus homens descansavam, ouviu-se um uivo horrível,
E Orcs emergiram do enlameado
Vale, dentes canibais cheios de sangue

Por séculos, estranhas esferas cristalinas foram descobertas nos locais de naufrágios de navios e de docas Aldmeri artefatos peculiares das Eras Mítica e da Aurora que confundiam arqueólogos até que foi demonstrado que cada uma tinha uma tendência a girar em seu próprio eixo numa direção específica. Haviam três variações, uma que apontava para o sul, uma que apontava para o nordeste, e uma que apontava para o noroeste. Não é entendido como elas funcionam, mas parecem ligadas a linhas de poder particulares. Essas são as "pedras do caminho" do fragmento, que cada um dos pilotos usaram para levar seus navios na direção que lhes foi designada a ir. Um navio com o nome não mencionado nesse fragmento levou seu navio para norteoeste, por Thras e Yokuda. O Pasquiniel tinha a pedra do caminho sul, e deve ter navegado em direção a Pyandonea. Topal e sua pedra do caminho norteleste encontraram o continente de Tamriel.

É claro desse fragmento o que os três navios haviam sido mandados fazer — encontrar uma passagem de volta para a Antiga Ehlnofey para que os Aldmer vivendo agora em Semprestio pudessem sabe o que havia ocorrido com sua antiga terra natal. Como o intuito desse livro é estudar Topal o Navegador, não há muito espaço para dedicar às diferentes teorias sobre o êxodo Aldmeri da Antiga Ehlnofey. Se eu usasse esse poema como minha única fonte, eu teria que concordar com os estudiosos que acreditam na tradição de que vários navios saíram da Antiga Ehlnofey e foram pegos por uma tempestade. Os que sobreviveram encontraram seu caminho para as Ilhas do Sempréstio, mas sem suas pedras do caminho, eles não sabiam em que direção sua terra natal estava. Depois de tudo, qual explicação existe para três navios partindo em três direções opostas para encontrar um lugar?

Naturalmente, apenas um dos navios retornaram, e nós não sabemos se algum os ambos doses outros encontraram a Antiga Ehlnofey ou pereceram no mar ou nas mãos dos Pyandoneanos, Sload, ou Yokudanos. Devemos assumir, a não ser que pensemos dos Aldmer como particularmente idiotas, que pelo menos um deles devesse estar apontando na direção certa. Pode até mesmo ter sido Topal, e ele apenas não foi norteleste longe o bastante.

Então, Topal partiu de Primália rumo norteleste, que coincidentemente é o mais longe que se pode viajar no Mar Abeceano witsem encontrar nenhun tipo de terra. Se ele tivesse viajado diretamente para leste, ele teria encontrado o continente em algum lugar onde hoje é o Oeste Coloviano de Cyrodiil em poucas semanas. Se tivesse viajado sulleste, ele poderia ter chegado a Floresta de Valen em poucos dias. Nosso navegador, julgando pelos seus mapas e os nossos mapas modernos, seguiu em uma linha reta norteleste, pelo Mar Abeceano, e dentro da Baía Ilíaca, antes de encontrar solo em algum lugar próximo da atual Reich Gradkeep no tempo de dois meses.

As colinas verdejantes do sul de Pedralta são inconfundíveis nesse verso, reconhecíveis para qualquer um que já esteve lá. A questão, é claro, é o que ser feito sobre essa aparente referência a Orcs ocupando a região? As tradições dizem que os Orcs não nasceram até depois dos Aldmer terem colonizado o continente, que eles surgiram como uma raça distinta após a famosa batalha entre Trinimac e Boethiah nos tempos de Resdayn.


Ant.: Nenhum Acima: Father of the Niben Próx.: Fragment Two