Lore:Veloth

A UESPWiki – Sua fonte de The Elder Scrolls desde 1995


São Veloth
ON-npc-Veloth.jpg
São Veloth
Raça Chimer Gênero Masculino
Residência Resdayn
Aparece em ESO


São Veloth, também conhecido como Veloth, o Peregrino ou Veloth, o Profeta, era um místico Chimer, vindo das Ilhas do Semprestio, na Era da Alvorada ou na Era Merética média ou tardia. Ele é mais conhecido como o pai da raça Dunmer, quando ele e seus seguidores se separaram de suas raízes Aldmeri e realizaram a diáspora em direção a sua nova terra, chamada Resdayn, agora conhecida como Morrowind.[1][2] Após a sua morte, Veloth tornou-se indiscutivelmente uma das figuras mais veneradas da história dos Dunmer, e ficou conhecido como o santo padroeiro dos marginalizados e dos que buscam conhecimento espiritual.[3]

História

Apesar de ter vindo de família nobre, Veloth via sua terra natal com desdém, pois acreditava que a sociedade Aldmeri era fundada na ambição, ganância e decadência. O jovem místico chamou seus compatriotas oprimidos e encontrou o apoio de quem esperava uma sociedade que preservasse as tradições, louvasse a honestidade e recompensasse os justos.[1][4]

Buscando um modo de vida mais ascético, estóico e puro para seus seguidores, Veloth inscreveu as Profecias Velothi, que abandonaram o culto comumente aceito aos Aedra, em favor dos Princípes Daédricos Boethiah, Azura e Mephala, conhecidos como os "Bons Daedra".[5] Ele também instruiu seus seguidores sobre como negociar com cuidado com os "Maus Daedra", também conhecidos como a Casa dos Problemas. Essa habilidade de distinguir o bem do mal foi uma característica marcante do santo vivo, assim como sua propensão para cura e itens curativos.[6] Algumas fontes afirmam que foi a própria Boethiah que influenciou a decisão de Veloth de rejeitar os Aedra através de sonhos e visões.[7] Outras fontes relatam que Boethiah tomou a forma do Aedra Trinimac e ensinou a Veloth e seus seguidores as regras da Diligência Psíjica - um método onde, supostamente, os mortais poderiam ascender e se tornarem deuses.[8]

Sejam quais forem as origens dos ensinamentos de Veloth, mais e mais clãs Aldmeri aceitaram Veloth como seu profeta e guia, e assim o movimento dissidente Velothi nasceu. Em resposta, Veloth e seus seguidores foram desprezados e expulsos. Os Sapiarcas de Alinor proibiram a crença, e os sacerdotes de Trinimac condenaram o movimento por blasfêmia e ameaçaram exilá-los caso os seguidores de Veloth não o abandonassem.[5][9]

O Êxodo

Ficheiro:Lore-people-Veloth.jpg
Um desenho de Veloth liderando seus seguidores até Resdayn

Eventualmente, Veloth e seus seguidores embarcaram em uma peregrinação em massa de Semprestio para o nordeste de Tamriel, com a promessa de uma nova terra e um futuro melhor. De acordo com os textos contemporâneos, ele "não poupou um barco, ração ou gênio forte entre o seu povo neste êxodo e trabalhou para alcançar a terra de Resdayn".[1]

Conhecido como o tempo do Grande Desespero, Veloth e seus seguidores viajaram por incontáveis semanas, atravessaram o mar e subiram muitas montanhas.[10] Muitos dos Chimer consideraram esse caminho uma loucura, mas foram conduzidos pela liderança de Veloth e por uma certeza e compromisso inflexíveis. Veloth dirigiu-os para dentro, perseguindo uma visão que havia recebido em um sonho. Ele afirmou ter visto um grande gavião no céu e jurou que o gavião guiaria os Chimer a uma nova casa.[10] De acordo com a lenda, eles finalmente alcançaram uma grande passagem atravessando uma cordilheira coberta de neve, mas uma grande parede de gelo bloqueava o caminho. Uma jovem apareceu diante de Veloth e exigiu que ele fizesse um juramento antes de ela dirigí-los a sua nova terra. Veloth soltou seu poderoso martelo de guerra Daédrico e prometeu dedicar sua vida e alma ao seu povo. A jovem derreteu a parede do gelo e revelou uma terra de fungos e cinzas: Resdayn.[10] A lenda diz que, quando ele, Veloth, colocou os olhos em Resdayn, uma lágrima única deslizou pela sua bochecha e congelou-se em um cristal.[11] Mais tarde, a lágrima tornou-se uma relíquia sagrada imbuída de poderes de cura e restauração.[3]

A Era de Ouro

A peregrinação em massa de Veloth para a nova terra foi um sucesso. Depois de renunciarem a todos os laços com os Aldmer, os seguidores de Veloth se tornaram conhecidos como Chimer e fundaram uma nova nação baseada nos princípios Daédricos. Os Chimer estabeleceram-se rapidamente e a área foi capaz de prosperar, desfrutando de um período de alta na agricultura conhecido por muitos como a Era de Ouro.[1][5][12][2] Todos os avanços culturais são atribuídos a Boethiah, da filosofia e magia até a arquitetura 'responsável' e à espiritualidade.[12][2]

Um dos primeiros assentamentos Chimeri em Resdayn foi nomeado em homenagem a Veloth: Narsis-Onde-Todos-Fervorosamente-Louvam-o-Profeta-Veloth, que depois foi encurtado para Narsis.[13] Embora os Chimer tenham construído vários santuários Daédricos enquanto estiveram em Semprestio, estes foram feitos em segredo.[13] Em sua nova pátria, não havia necessidade de segredo, o que permitiu-lhes construir templos magistrais para Boethiah, Azura e Mephala, estabelecendo as tradições do culto em Morrowind, que foram posteriormente substituídas pelo Tribunal.[5] Veloth também plantou várias sementes da flora nativa de Semprestio que cresceram e viraram árvores em Morrowind, embora poucas tenham sobrevivido nos séculos seguintes. [14]

Legado

Côncavo de Eidolon. Um dos sítios mais sagrados dos culto Daédrico dos Chimer.

Nos séculos que se seguiram após a sua morte, Veloth tornou-se uma das figuras mais veneradas e de maior referência da história de Dunmer.[3] Veloth é desenhado principalmente como uma alma pacífica e acadêmica, à qual os encantamentos curativos dos Dunmer que levam o nome dele atestam.[1] As antigas alegorias Velothi são sucessos uniformemente heróicos de Boethiah sobre inimigos de todo tipo, histórias fundamentais da luta Chimeri. As crenças espirituais e os ideais metafísicos do Lorde Vivec provêm diretamente dos ensinamentos de Veloth, cujo movimento ele considerou um elemento de barbárie necessário para romper com a cultura Aldmeri.[12]

Ao longo do tempo, alguns dos ensinamentos de Veloth em torno do culto aos Bons Daedra se desfavoreceram entre os Dunmer. Um ato com o qual o espírito de Veloth concordou com curiosidade, afirmando que seu tempo havia passado.[15] O Templo do Tribunal prevaleceu como a fé dominante em torno de 1E 700 e Veloth foi canonizado como um santo maior, patrono dos marginalizados e buscadores de conhecimento espiritual.[16] Por outro lado, o culto Grisermante rejeita completamente o Tribunal e mantém-se fiel aos ensinamentos e tradições do Profeta Veloth. Eles acreditam que abraçar o conforto e a decadência da civilização é exatamente o que corrompeu os Aldmer de Semprestio.[17][18][19]

Várias casas de culto existem em Deshaan dedicadas à memória de Veloth e à veneração de relíquias deixadas por ele e seus seguidores originais.[3] Ao longo de Vvardenfell existem inúmeros santuários dedicados a Veloth, que concedem bênçãos que reforçam Magicka.[20] Ele também se tornou o santo padroeiro da Casa Hlaalu.[21]

O povo de Veloth o honrou tanto que sua influência é aparente mesmo gerações mais tarde. As Montanhas Velothi na fronteira de Morrowind e Skyrim receberam este nome em sua homenagem, assim como as torres Velothi de Morrowind.[2][22] A idade de ouro da história Chimeri é conhecida como o período da Alta Cultura Velothi.[23] A influência da antiguidade é vivamente sentida, pois "Velothi" ainda é um descritor exato do povo Dunmer, e é usado em conexão com referências às suas mais antigas tradições culturais.[1][2][24][25]

Relíquias de Veloth

Julgamento de Veloth

Um considerável número de relíquias curandeiras são associadas a São Veloth. Muitos destes artefatos foram protegidos nos cofres do Templo do Forte da Lamentação nos séculos após sua morte.[6]

O Julgamento de Veloth

O mágico martelo de guerra Daedrico que São Veloth empunhou durante o seu êxodo de Semprestio,[3] um símbolo de poder que representava tudo o que Veloth encarnava. O Julgamento de Veloth soava com autoridade em toda a terra. Seus encantamentos podiam limpar a corrupção das almas das pessoas que o martelo derrubava.[6] A precisão de Veloth com o martelo era tal que ele podia remover a corrupção de uma alma mantendo o corpo vivo e saudável. O martelo de guerra armazenou a corrupção por um tempo, transformando-a em energia que poderia ser usada pelo portador para aumentar o poder da arma. Veloth considerou adequado deixar de lado essa arma quando ele prometeu desviar sua atenção da guerra para a tarefa de construir uma nova casa para os Chimer em Resdayn.[3] Desde a ascensão de Veloth à santidade, houve rumores de que o martelo ganhou poderes lendários, a ponto de poder sipar a alma inteira de uma criatura viva.[6] Este rumor revelou-se verdadeiro quando o martelo foi roubado do templo na Segunda Era. O martelo foi eventualmente devolvido ao Tempo na Terceira Era tardia, pois estava em possessão de um sacerdote em Molag Mar. Posteriormente, ele caiu nas mãos do Nerevarine, que mais tarde o vendeu ao Museu de Artefatos no Forte da Lamentação.[22]

A Lágrima de São Veloth

Acredita-se que este cristal radiante seja uma lágrima derramada por Veloth quando ele pela primeira vez viu a terra de Resdayn, a nova pátria que ele a tinha visto em suas visões. De acordo com a lenda, a lágrima congelou enquanto deslizava pela bochecha de Veloth. Mantido pelos monges do monastério de Muth Gnarr, este cristal tem grandes poderes de cura e restauração - desde que os monges mantenham uma constante vigília e um padrão de oração.[3]

O Santo Vaso de Veloth

Este abençoado recipiente foi usado por Veloth para levar a água que extinguiria a sede de seus seguidores doentes durante o êxodo, e depois irrigar as plantações da nova pátria. Na Segunda Era, o Santo Vaso foi alojado no Templo de Selfora, em Deshaan.[3] É dito ser a relíquia mais importante no templo, e a razão pela qual o templo existe.[26]

O Relicário de São Veloth

No Santuário de São Veloth em Deshaan reside O Relicário. Não é uma relíquia por si só, mas talvez contenha as relíquias mais poderosas e sagradas associadas a Veloth - seu crânio, conhecido como o Crânio Sagrado e seus ossos.[27] Os ossos do santo são ditos ter inúmeras propriedades mágicas, fazendo com que peregrinos viajem de todos os cantos de Morrowind para receber a benção do dele. As lendas afirmam que os mais fiéis às vezes recebem visões do santo enquanto meditam e rezam diante do Relicário.[3]

A Ameaça Malhonata

No ano de 2E 582, muitas das relíquias de Veloth estiveram envolvidas no esquema de Magistrix Vox para desarticular o Tribunal. Vox realizou uma vingança pessoal contra Almalexia e tentou fazer com que Morrowind retornasse ao culto Daédrico.[28]

Para alcançar seu objetivo, ela primeiro disseminou a Praga Llodos em Deshaan, criando assim um exército de praguentos. No mosteiro de Muth Gnarr, a Lágrima de São Veloth foi usada por monges do templo para retardar os efeitos da peste. No entanto, uma tribo violenta de Grisermantes chamada de Vereansu acreditava que este ato havia contaminado a Lágrima, e tentaram destruí-la quando seu plano foi frustrado pelo Desalmado, trabalhando com o Pacto Coração-Ébano.[29][11][30]

Vox também roubou o Julgamento de Veloth do Templo do Forte da Lamentação. Depois que a cidade de Selfora se recusou a aliar-se com ela, ela usou o martelo para criar uma fenda dimensional, liberando espíritos hostis no assentamento.[31][32] O Desalmado, com a ajuda de um sacerdote do templo, usou o Santo Vaso para selar a fenda e capturar o espírito do eco de Vox.[31][33]

Em um esforço para remover o espírito de São Veloth da batalha, Vox viajou para o Santuário de Veloth e chamou seu espírito. Ela desencadeou uma onda de destruição e contaminou o Santuário destruindo seu relicário e dispersando seus ossos.[34] Este ato enfraqueceu o espírito de Veloth, e sua conexão com o plano mortal começou a desaparecer.[15] O Desalmado recuperou os ossos de Veloth e restaurou o Relicário. Em troca, o espírito de Veloth concedeu uma benção ao Desalmado para protegê-lo na batalha futura contra Vox. O Desalmado derrotou Vox e o Julgamento de Veloth foi devolvido ao Templo do Forte da Lamentação.[35]

Livros

Galeria

Veja Também

  • Para informações específicas do jogo, veja ESO.

Referências

  1. ^ a b c d e f [[Lore:Veloth o Peregrino|]]
  2. ^ a b c d e [[Lore:O Guia Melhorado do Imperador de Tamriel/Morrowind|]]
  3. ^ a b c d e f g h i [[Lore:Relíquias de São Veloth|]]
  4. ^ [[Lore:Êxodo de Semprestio|]]
  5. ^ a b c d [[Lore:Culto Daedra: Os Chimer|]]
  6. ^ a b c d [[Lore:O Julgamento de São Veloth|]]
  7. ^ [[Lore:A Queda de Trinimac|]]
  8. ^ Os Alterados
  9. ^ [[Lore:A Verdadeira Natureza dos Orcs|]]
  10. ^ a b c [[Lore:Fim da Jornada|]]
  11. ^ a b Diálogo de Curandeiro Senar em ESO.
  12. ^ a b c [[Lore:Variedades da Fé: Os Elfos Negros|]]
  13. ^ a b ESO loading screen
  14. ^ Diálogo do Desamparado em ESO.
  15. ^ a b Diálogo de São Veloth em ESO.
  16. ^ [[Lore:Vidas dos Santos|]]
  17. ^ Notas do Culto ao Nerevarine
  18. ^ [[Lore:Notas de Zainsubani|]]
  19. ^ [[Lore:Progresso da Verdade|]]
  20. ^ Relicário de São Veloth em Morrowind.
  21. ^ [[Lore:Lemas das Grandes Casas dos Dunmer|]]
  22. ^ a b Eventos de Morrowind.
  23. ^ Antes das Eras do HomemAicantar de Shimerene
  24. ^ [[Lore:O Estrangeiro|]]
  25. ^ [[Lore:As Sete Visões|]]
  26. ^ O Santo Vaso
  27. ^ Diálogo de Acólito Hlen em ESO.
  28. ^ Eventos de ESO.
  29. ^ Quest Sujeito Honrado em ESO.
  30. ^ Diálogo do Curandeiro Ravel em ESO.
  31. ^ a b Diáolgo deTidyn Arthalen em ESO.
  32. ^ Resposta a Vox, Primeiro Rascunho
  33. ^ Quest Resgate e Vingança em ESO.
  34. ^ Diálogo de Acólito Gami em ESO.
  35. ^ Quest Um Santo em Pedaços em ESO.