Lore:Terceiro Império

A UESPWiki – Sua fonte de The Elder Scrolls desde 1995
< História(Redirecionado de Lore:Third Empire)

O Terceiro Império foi formado por Tiber Septim em 2E 854 depois do caos do Interregno, e foi forjado por um conflito de décadas para unir Tamriel conhecido como as Guerras Tiber. Ele durou por toda a Terceira Era e por dois séculos da Quarta Era, quando começou a cair.

Dinastia Septim

A Dinastia Septim foi fundada por Tiber Septim usando o Numidium para conquistar Tamriel, depois de ter declarado o início de uma nova era, 3E 0. Seu reinado de 38 anos foi próspero e relativamente pacífico. Seu neto Pelagius o sucedeu, e manteve a era dourada, até ser assassinado pela Irmandade Sombria depois de menos de 3 anos. Pelagius foi o primeiro e único descendente direto de Tiber Septim a governar, pois ele foi filho único e nunca teve filhos próprios. Portanto, o Trono de Rubi foi passado à sobrinha de Tiber, Kintyra, em 3E 41. Kintyra e seu filho, Uriel, foram líderes de sucesso que alcançaram um nível de unidade dentro do Império que não pôde ser igualado por séculos. Uriel II, que tomou o trono em 3E 64, teve seu reinado afetado por pragas e insurreições, e atingiu pouco em seu reinado de 18 anos. Acabou deixando muitos problemas, e uma grande quantidade de dívidas para Pelagius II. Em resposta, Pelagius dispensou todo o Conselho Ancião, e permitiu somente aqueles que pagassem uma taxa para voltar a suas cadeiras. Enquanto essa tática trouxe alguma prosperidade para Tamriel, terminou quando Pelagius foi envenanado em 3E 98, tendo sido supostamente assassino por um membro do Conselho. Seu filho, Antiochus, era mais interessado em curtição do que política, conhecido pelo Império como um garanhão mesmo antes de tomar o trono. Seu reinado foi marcado por guerras civis e outros conflitos, e a província de Semprestio foi quase perdida para invasores Maormer em 3E 110. Antiochus morreu dez anos depois, deixando o trono no aperto tênue de sua filha de 15 anos, Kintyra II. A sucessão foi contestada pelos irmãos de Antiochus e levaria a uma guerra civil.

Em 3E 121, Kintyra II foi imprisionada por Potema Septim, a infame Rainha Lobo de Soledade, e assassinada dois anos depois. Isso engatilhou a Guerra do Diamante Vermelho, uma guerra civil entre Potema e seu filho, Uriel III, de um lado e seus irmãos Cephorus e Magnus do outro. Os exércitos dos irmãos eventualmente venceram e a sucessão continuou.

O Império ganhou e perdeu poder e terras imprevisivelmente durante o próximo século até a ascensão de Katariah Ra'Athim. A primeira (e única) governante Élfica do Império, Katariah foi a primeira em 100 anos a governar Tamriel de forma segura e com mão-de-ferro, com exceção do Pântano Negro. Isso seria a ruína dela, pois ela morreu em 3E 200 em um pequeno conflito no Pântano Negro.

Outra guerra civil começou depois do voto do Conselho Ancião para deserdar Andorak, o filho mais velho de Uriel IV, e oferecer a coroa Imperial a seu primo, Cephorus, pois eles consideravam Cephorus mais próximo da real linhagem Septim. A guerra durou nove anos até que Andorak foi persuadido a oferecer o trono a Shornhelm em Pedralta.

Em 3E 268, Uriel V começou sua invasão a Akavir. Essa invasão dominou seu reino, e definitivamente terminou com ele. Sua vida foi terminada em 3E 290, e novamente o Império caiu num lento declive. Uriel VI não conseguiu tomar o trono até 3E 307, devido a sua pouca idade no tempo da morte de seu pai, e às tentativas de sua mãe Thonica de continuar no poder como Regente. Quando Uriel VI caiu de seu cavalo e morreu em 3E 313, sua meia-irmã ascendeu ao poder como Imperatriz Morihatha. Uriel VI deixou vassalos rebeldes e cidadãos descontentes para sua irmã lidar. Ainda assim, ela agiu decisivamente, e no fim de seu reinado em 3E 339, Tamriel esta perto de um tipo de união. Seu sobrinho, Pelagius IV—apesar de ter relutado no início—trouxe o Império para mais perto da união do que havia sido possível nos últimos 300 anos, desde os dias de Uriel I.

Uriel Septim VIII, filho de Pelagius IV, subiu ao poder depois da morte de seu pai em 3E 368. Em 3E 389, o mago de batalha de Uriel VIII, Jagar Tharn, emprisionou o Imperador em uma dimensão de sua criação. Por dez anos, depois conhecidos como o Simulacro Imperial, Jagar Tharn governou Tamriel no lugar de Uriel, mas não mostrou o conhecimento do mesmo. Antes de Tharn definitivamente derrubar o Império, Uriel foi resgatado e restaurado ao trono em 3E 399.

Durante o reinado de Uriel Septim VII, que durou 65 anos, ele uniu o Império pela primeira vez em séculos. No fim do Simulacro Imperial, Distorção no Oeste e Crise de Vvardenfell, o Império estava ainda mais perto da unidade do que no fim do reinado de Pelagius VI. Depois de sua morte, seu filho, Martin Septim, terminou a Crise do Oblivion, a Terceira Era, e—sem mais herdeiros—a Dinastia Septim.

O Império se recuperou dos atos de Tharn, mas efetivamente terminou quando Martim Septim se sacrificou em uma tentativa bem sucedida de selar a fenda que havia sido aberta para o plano de Mehrunes Dagon em Oblivion. O Alto Conselheiro Ocato se tornou Potentado Ocato quando nenhum candidato pode ser encontrado para substituir Martin. Ocato manteve o Império mais ou menos intacto pelos anos tumultuosos depois da Crise do Oblivion, mas foi assassinado por volta de 4E 10, que iniciou o Interregno da Coroa-Tormenta, que durou sete anos.

Dinastia Mede

Em algum ponto dos sete anos seguidos do assassinato de Ocato, um guerreiro-bruxo Nibenense chamado Thules o Birrento foi coroado Imperador, apesar de não ser apreciado pelo povo, o Conselho Ancião o favoreceu sobre Titus Mede, um chefe de guerra Coloviano que queria o trono. Eventualmente, em 4E 17, Titus Mede capturou a Cidade Imperial de Thules e se coroou o primeiro Imperador de uma nova dinastia, eventualmente persuadindo o Conselho Ancião a aceitá-lo como liberador ao invés de conquistador.

Em 4E 168, Imperador Titus Mede II ascendeu ao trono. O Império naquele tempo era uma sombra de sua glória. A Floresta de Valen e Elsweyr foram cedidas para o terceiro Domínio Aldmeri, o Pântano Negro havia sido perdido do poder Imperial desde a Crise do Oblivion, Morrowind ainda precisava se recuperar da erupção da Montanha Vermelha, e Martelfell foi afetada pela luta entre os Coroas e os Predecessores. Somente Pedralta, Cyrodiil e Skyrim permaneceram prósperos e pacíficos.

Em 4E 171, a Grande Guerra começou quando exércitos do Domínio Aldmeri invadiram as províncias Imperiais de Martelfell e Cyrodiil depois de Titus II ter rejeitado um ultimato para dar concessões massivas ao Thalmor. Um exército liderado pelo general Lorde Naarifin emergiu de campos ocultos no norte de Elsweyr e assaltaram o sul de Cyrodiil, acabando com defesas Imperiais pela divisa com a Floresta de Valen. Leyawiin caiu para os invasores, e Bravil foi cercada e atacada. Simultaneamente, um exército sob a liderança de Madame Arannelya cruzou Cyrodiil ocidental, passando por Bigorna e Kvatch, e entrando em Martelfell. Esse exército foi aumentado com forças menores parando na costa de Martelfell. Tropas Imperiais foram forçadas a recuar para o Deserto Alik'r. A Cidade Imperial foi sitiada, e caiu depois da fuga do Imperador com o restante de seu exército para Skyrim. A guerra terminou um ano depois com a liberação da Cidade Imperial depois da Batalha do Anel Vermelho, e com a subsequente aceitação Imperial do Tratado Ouro-Branco. Este tratado continhas termos quase idênticos àqueles rejeitados antes da guerra, especificamente a ilegalização do culto a Talos, que se tornou uma das maiores causas da Rebelião Tempesmanto em Skyrim. Martelfell saiu do Império e lutou para combater as forças do Thalmor por si, ganhando sua independência em 4E 180. Isso deixou o Império numa condição diminuída e menos estável, apesar de ter retido controle das províncias de Cyrodiil, Pedralta e Skyrim.

Em 4E 201, a Rebelião Tempesmanto quebrou em Skyrim. Os beligerantes eram os Tempesmantos, liderados por Ulfric Tempesmanto, que lutou pela independência de Skyrim, e a Legião Imperial, liderado por General Tullius, com a intenção de manter o Império unido perante as tensões políticas entre eles e o Thalmor.

Referências