Lore:36 Lições de Vivec, Sermão 25

A UESPWiki – Sua fonte de The Elder Scrolls desde 1995
Visto Em:
Anterior Sermão Vinte e Quatro Próximo Sermão Vinte e Seis
As Trinta e Seis Lições de Vivec, Sermão Vinte e Cinco
por Vivec
Livro 25 de uma série de palavras de conhecimento relacionadas à Vivec

A Escritura da Cidade:

'Todas as cidades são nascidas de luz sólida. Assim é minha cidade, sua cidade.
'Mas então a luz desaparece, revelando o anjo terrível e brilhante de Veloth. Ele está em sua forma pré-quimérica, demoníaco VEHK, magro e pálido e belo, pele esticada dolorosamente nos ossos de aves, serpentes emplumadas circulando seus braços. Suas asas estão espalhadas atrás dele, suas extremidades vermelhas e amarelas como lâminas ao sol. A massa fina de seu cabelo de fogo flutua como se estivesse sob a água, leitoso na auréola de luz que coroa sua cabeça. Sua presença é inegável, o medo é demais para suportar.
'Essa é a cidade de deus, diferente das outras. Cidades estrangeiras colocam seus habitantes para dormir e andar para o oriente ferido-estelar para me homenagear. A capital dos homens nortenhos, crocante com o gelo de Eons, se curva perante Vivec a cidade, comigo junto.
'Ruas pensantes correm pelo túnel de sangue. Eu me reconstruí. Postes de sinalização com hiper olhos ao longo do meu braço de tráfego, logo para ser um mar interior. Meu corpo está rastejando com todos reunidos para me ver subindo como um instrumento monolítico de prazer. Minha espinha é a estrada principal da cidade que sou eu. Inúmeras transações estão ocorrendo nas ruas e passarelas e os andarilhos, vagando, vagando, enquanto eles vagam e passam e se acrescentam a mim. Têm templos erguidos ao longo do meu crânio e eu os usarei sempre como coroa. Atravesse os lábios de deus.
'Eles adicionam novas portas a mim e eu me torno trans-imortal sem esforço com as vindas e idas e o transposto calor do mercado onde sou negociado, o brado das crianças os ouvem tocar, zombado, divertido, desejado, pago na moeda local, recém cunhada com meu rosto de um lado e minha cidade-corpo do outro, eu olho com cada nova janela. Logo eu sou um inseto de um milhão de olhos sonhando.
'Trombetas de guerra cintilantes soam como gado na caixa torácica de transporte desordenado. Os hereges são destruídos nos joelhos de praça. Eu inundo nas colinas, casas sobem como erupções, e eu nunca arranho. Cidades são antídotos para caça.
'Eu levanto lanternas para iluminar minhas cavidades, empresto cera aos milhares aos castiçais que levam o meu nome de novo e de novo, denominação inumerável, fechando, mantra e padre, deus-cidade, enchendo cada canto com o nome denominado, rodado, circulando, correndo a linguagem do rio rindo com passadas de acasalamento, vendendo, roubando, pesquisando, e não preocupando vós que andam comigo. Esse é o esquema de Aurbis florescendo. Essa é a promessa do PSJJJJ: ovo, imagem, homem, deus, cidade, estado. Eu sirvo e eu sou servido. Eu sou feito de fio e corda e argamassa e eu concedo meu próprio precedente, mundo sem sou.'

O fim das palavras é ALMSIVI.


Ant.: Sermão Vinte e Quatro Acima: As Trinta e Seis Lições de Vivec Próx.: Sermão Vinte e Seis