Lore:Khajiit

The UESPWiki – Your source for The Elder Scrolls since 1995
Featured Article
Ilustração de um típico Khajiit Suthay-raht masculino
Elsweyr, a terra dos Khajiit
Um esqueleto Khajiiti

Khajiit são o povo felino humanoide que vêm de Elsweyr, conhecidos por grande inteligência e agilidade.[1] Esses traços os tornam exímios ladrões e acrobatas, mas também podem ser temíveis guerreiros. Entretanto, são raramente vistos como magos.[2] Khajiit, em sua maioria, ficam em solo, mas pirataria e comércio de skooma atraem alguns para trabalhos de marínheiros.[3][4]

A anatomia Khajiit diferencia-se muito daquela de homens e elfos, não apenas por causa de seu pelo, cauda, e o andar na ponta dos pés, mas por seu sistema digestivo e metabolismo também.[5] Khajiit, Argonianos, e Imga são as chamadas "raças besta" de Tamriel devido a suas grandes diferenças.[1] Khajiit têm uma expectativa de vida similar àquela de humanos.[6] Não existem casos bem documentados de cruzamento racial entre Khajiit e outras raças, mas há rumores de tal coisa.[5][7] A aparência alienígena e comportamento dos Khajiit tornam-os alvos comuns de racismo.[8][9][10][11]

História

Reinos Khajiit existiam muito antes do registro da história.[1][12] Elsweyr consistia em 16 reinos de aproximadamente 20 tipos diferentes de Khajiit no começo da Primeira Era, muito cooperativos e harmoniosos comparados às outras raças da época.[1][13] A Praga Thrassiana perturbou esse balanço em 1E 2260, deixando apenas dois reinos primários.[1] Elsweyr chegou ao seu estado moderno em 2E 309 quando Keirgo de Anequina e Eshita de Pellitine combinaram seus domínios de constante guerra e deram à terra seu nome, acendendo uma séria dificuldade de classes, já que os do norte de Anequina viram Pellitine como depravado e decadente, enquanto os Khajiit de Pellitine tinham os de Anequina como bárbaros.[13][14]

O Juba Rid-T'har-ri'Datta restaurou a paz ao fazer cada lado da sociedade Khajiiti revezar o governo de toda a região baseado nas fases de Masser e Secunda, as quais os Khajiit têm grande respeito. Os termos desse ato, os Riddle'thar, foram supervisionados pela ditadura ligeiramente velada pelos próprios Jubas.[13] A eficácia de cada Juba tem variado muito, e alguns levaram os Khajiit a tempos de luta e guerra na Terceira Era, especialmente com os Bosmer.[1][15][16][17] Eles historicamente atingiram maior paz e prosperidade sobre reinado Imperial (de acordo com estudiosos Imperiais), mesmo assim se rebelam frequentemente contra a autoridade em manter seu olhar único do mundo.[1][18]

Em 4E 98, Masser e Secunda desapareceram, provocando medo e conflito entre os Khajiit. Quando as luas reaparecem dois anos mais tarde e os Thalmor declaram que eles haviam usado magia para restaurá-las, os Khajiit os adoraram como seus salvadores. Em 4E 115, suporte popular aos Thalmor resultou numa conquista militar do governo Imperial de Elsweyr e na restauração dos antigos reinos Anequina e Pelletine, agora como estados dos Thalmor.[19]

Sociedade

A Juba, mesmo sendo chefe de estado não-oficial, não é apenas mais uma "raça" Khajiit; é simplesmente única. A tradição Khajiit acredita que apenas uma Juba pode estar viva por vez, já que a Juba é uma entidade que renasce em diferentes corpos com o passar do tempo. A veracidade disso é desconhecida, mas não há nenhuma informação sobre múltiplas Jubas lutando por poder.[13] Os Khajiit são divididos por dois estilos diferentes de vida: as civilizadas florestas e bacias de rios na Elswyer sulista, a qual tem antigas tradições comerciais, uma estável aristocracia agrária baseada na exportação de salgarroz e Açúcar Lunar, e uma cultura artística próspera, o que contrasta muito bem com tribos nômades ou orgulhosos Khajiit dos secos desertos e pastagens ao norte, onde saqueadores rurais e agressivos se unem ocasionalmente sobre um único líder.[16][20] É comumente dito que a mais poderosa força entre os Khajiit são as Mães de Clã. São elas quem, afinal, controlam a colheita e o refinamento de Açúcar Lunar, portanto são vistas como as mais influentes.

Os Khajiit frequentemente se referem ao Açúcar Lunar como "luar cristalizado", capturado pelas águas brilhantes do Mar Topal e lavado pela maré para os bosques de cana-de-açúcar da Floresta Tenmar, sobre a orientação de Hermorah. Os Khajiit acreditam que ao consumi-lo, eles estão consumindo uma pequena porção das eternas almas dos deuses lunares, Jone and Jode. Isso os leva a frenesis de êxtase e despreocupação, supostamente deixando as ruas das principais cidades de Elsweyr cheias de homens-gato trêmulos viciados em doses de açúcar. Apesar da natureza extremamente viciante do açúcar, ele é uma parte essencial na vida Khajiiti e o principal exporte de Elsweyr, onde é contrabandeado tanto na forma crua quanto na refinada.[13][21] Ajuda a manter um próspero mercado negro; é dito que pode-se comprar praticamente qualquer coisa entre os Khajiit. Khajiit das tribos desérticas são frequentemente enterrados com apenas uma pequena pilha de pedras, para que seus corpos possam ser facilmente utilizados por Necromantes.[1][22]

Essa paixão por Açúcar Lunar deu a eles um "fraco por doces"; guloseimas, bolos, pudins, e carnes-de-açúcar são a parte mais importante da dieta Khajiiti, tudo generosamente enriquecido com Açúcar Lunar.[13] Essa relação entre religião e prática cultural vai além do que as aparências sugerem.[13] De acordo com a lenda, os Khajiit e suas divindades são ligados no Entrelaçar Lunar, nada menos do que as célebres Barreiras Liminares, a tendência do Mundus em se manter discreto do Mar de Oblivion e da força que mantém os Daedra fora de Nirn.[13] Desse jeito os Khajiit, Açúcar Lunar, as Luas de Lorkhan, o Coração de Lorkhan, e a Torre Ouro-Branco estão todos relacionados, já que todos têm uma parte na formação da estrutura fundamental do plano mortal.[13][23]

Um típico Khajiit bípede se veste num amplo xale de tecidos com cores vibrantes, conhecido como budi, para defesa contra os severos raios do sol. Essa blusa é presa firmemente em tranças por baixo no lado direito, para prevenir qualquer parte do pelo do torso de ser vista, já que a exposição de tal ao público é tida como ofensiva e desagradável à vista. Em batalha, aqueles que andam eretos tradicionalmente vestem uma armadura de peso médio, requintadamente composta de um folgado couro laqueado e placas de metal altamente polidas. Enquanto toucas de couro são geralmente as preferidas, aqueles com os meios de adquiri-las vão geralmente vestir elmos de prata estriada. Além disso, muitos Khajiit adornam-se com jóias, ornamentos, e às vezes até ervas tais como Nightshade.[24] Suas tatuagens geralmente têm profunda significância cultural e religiosa, já que mostram sua raça, tribo, e os deuses que veneram.[13]

Com o passar dos anos, os Khajiit tiveram frequentemente que lidar com a preocupação de ser sequestrados e vendidos como escravos, principalmente em Morrowind, então eles têm que levar auto-defesa a sério.[25][26][27][28][29] Enquanto a maioria dos Khajiit preferem usar suas retráteis e afiadas garras como armas em inúmeras formas de artes marciais Khajiiti como Presagout, Presa Murmurante e Rawlith Khaj, muitos dominaram o uso de sabres, cimitarras, adagas, e arcos longos. Seu domínio escolhido geralmente reflete nos nomes Khajiit masculinos, pelo qual eles demonstram o que fazem na vida com o prefixo; entretanto é sempre usado com cuidado, pois o uso de dois títulos é tido como o resultado de muito orgulho ou ignorância. Mesmo sendo muito especulado, não se sabe se os Khajiit são de alguma forma relacionados aos Po' Tun (atualmente Ka Po' Tun), o povo felino de Akavir, ou aos Lilmothiit, uma raça-besta raposa que uma vez habitou o Pântano Negro.[30][31]

Religião

Uma sociedade monomítica, os Khajiit são guiados em suas crenças por figuras misteriosas conhecidas como "Mães de Clã", que têm o dever de disseminar os mitos culturais entre seu povo, e quem mantém autonomia da Juba e dos discrepantes líderes tribais.[32] Quanto à origem de sua espécie, os Khajiit acreditam que a vida originou-se de dois companheiros de ninhada, Ahnurr e Fadomai, os quais geraram o primeiro felino, Alkosh.[32] A Alkosh foi dada a tutela do tempo, e seu nascimento induziu Ahnurr e Fadomai a trazer mais vida para o mundo, então eles criaram Khenarthi, guardiã dos vento; Magrus, guardião do sol; Mara, guardiã do amor; e S'rendarr, guardião da misericórdia.[32] Com o tempo, Ahnurr e Fadomai queriam compartilhar a alegria que sentiam pela vida com mais filhos, e então, Fadomai deu a luz a Hermorah das marés, Hircine da fome, Merrunz da destruição, Mafala das Mães de Clã, Sangiin do sangue e da vida, Sheggorath da insanidade, e muitos outros.[32] Apesar das semelhanças fonéticas e indiretas com as divindades de outros panteões, os Khajiit acreditam que muitas dessas entidades são completamente separadas de espíritos similares de outras culturas e sua versão do gênesis do mundo é a única redenção pura .[33]

Ahnurr decidiu parar de ter filhos já que ter mais crianças iria atenuar sua própria felicidade. Entretanto, Fadomai foi persuadida por Khenarthi - quem estava se sentindo sozinha em seu plano dos ventos - a gerar mais crianças, e ela o fez, gerando Nirni, as majestosas e exuberantes florestas, e Azurah, a aurora e crepúsculo, assim como as Luas e seus Gestos. Foi nesse período que Fadomai foi pega por Ahnurr que, furioso com suas trapaças e desobediência, a atacou. Ela, temendo por sua vida e a das crianças, fugiu com elas para as Grandes Trevas e se escondeu, gerando sua última criança, Lorkhaj. Já que ele nasceu nas Grandes Trevas, os Khajiit acreditam que o Coração de Lorkhaj estava cheio delas, e então as Grandes Trevas tomaram consciência própria e ficaram conhecidas como Namiira.[32]

Entra as trevas, cercada por suas crianças, Fadomai percebeu que sua morte estava próxima e posicionou as luas, Jone and Jode, nos céus para guiar suas crianças e protegê-las da fúria de Ahnurr. Ela deu a Nirni seu "maior presente", proclamando que ela geraria tantas crianças quanto Fadomai tinha. Nirni estava satisfeita pois Azurah, com quem ela discutia regularmente, não havia nada. Protegidas pelo Entrelaçar Lunar, as crianças de Fadomai partiram, entretanto, Azurah permaneceu. No silêncio e vazio causados pela saída das outras crianças, Azurah se aproximou de sua mãe e então recebeu seus presentes na forma de três segredos. Foi dito à ela para selecionar uma das crianças de Nirni e mudá-las, tornando-as as mais rápidas, inteligentes, e lindas das criaturas, nomeando-as Khajiit; segundo, que elas deveriam ser criadas como os melhores escaladores, para que possam escalar os ventos do sopro de Khenarthi e posicionar Masser and Secunda corretamente, para que não falhassem; por fim, que os Khajiit devem ser os melhores enganadores, capazes de esconder dos outros sua verdadeira natureza. Então Fadomai morreu, e Azurah partiu para se unir ao seus irmãos.[32]

Nirni se aproximou de Lorkhaj, a quem ela pediu para que criasse para suas crias moradia; ele fez, ainda assim as Grandes Trevas em seu coração o forçaram a enganar seus irmãos para que ficassem presos no novo local com Nirni. Alguns conseguiram escapar a morte e se tornaram as estrelas, e aqueles que ficaram puniram Lorkhaj arrancando seu coração e escondendo nas profundezas de Nirni, para que ficasse com ela que havia sofrido mais. Então dentro do novo mundo da criação de Lorkhaj, Nirni gerou seus filhos, os quais eram muitos, mas derramou amargas lágrimas para seus favoritos—o povo da floresta—que não sabiam sua forma certa. Foi nesse período que Azurah apareceu e a confortou, apanhando alguns dos povos da floresta e os colocando nos desertos e florestas, onde ela os deu várias formas, uma para cada necessidade, e fazendo isso, os nomeou Khajiit, ensinando a eles os segredos confiados à ela, e ligando-os ao Entrelaçar Lunar.[32]

Ao contar dos segredos, Y'ffer ouviu o primeiro, e contou à Nirni o feito de Azurah. Nirni, em troca por suas crianças transformadas, e agora perdidas, tornou o desertou quente e as areias cortantes, e encheu as florestas com água e veneno. Para separar suas amadas crianças daquelas de Azurah, Nirni permitiu que Y'ffer mudasse aqueles que sobraram para que eles sempre sejam dos mer, e nunca bestas, e os chamou de Bosmer. Daquele momento em diante, as duas (raças) foram eternamente separadas e, assim como seus criadores, foram ligados por hostilidade um com o outro. Desse modo, os Khajiit explicam não só suas origens, como também suas ligações com as luas e conflitos com os Bosmer.[32]

Contradições a essa explicação da origem Khajiiti foram levantadas por estudiosos Imperiais, os quais teorizam que os Khajiit são descendentes de uma raça de grandes felinos das regiões desérticas de Nirn, defendendo suas teorias com cartas fragmentadas de Topal o Condutor - o aventureiro Aldmeri mais antigo conhecido, quem dá nome ao Mar Topal - quem faz referência a felinos quadrúpedes e bípedes:

"Os gatos demônios de duas e quatro patas

Correram a distância do rio,
Sempre de olho no barco com seus olhos verdes.

Chiando, e cuspindo, e rosnando com raiva." [1]

Entretanto, até essa obscura evidência pode ser debatida, visto que Pelinal Listranívea, líder do Massacre Élfico, assassinou milhares de Khajiit, durante a mesma era, sobre a errônea impressão do que eles eram "outra força dos Aldmeri" devido a grande semelhança. Há outros desses relatos, e eles levantam a possibilidade dos Khajiit no geral terem mesmo uma ancestralidade élfica.[1]

Panteão Khajiiti

O panteão Khajiiti abrange uma miríade de deuses, sendo temporais ou não, um fragmento de tais estão detalhados abaixo. De espíritos sombrios, ou dro-m'Athra, os quais são representados por fases inversas da lua, os Khajiit não falam.

Alkosh
Dragão Rei de Gatos / Deus do Tempo
Um herói cultural, e um dos primeiros da cultura Khajiit, o culto a ele foi cooptado durante a implantação de Riddle'thar, mesmo assim o culto a Alkosh como uma divindade continua a florescer entre as regiões desérticas de Elsweyr. Mais comumente descrito como um feroz dragão com características felinas, os Khajiit normalmente descrevem Alkosh como "um gato bem grande". Um mito popular entre os Khajiit defende que ele repeliu o massacre Aldmeri inicial de Pelinal Listranívea.[33]

Azurah
Deusa de Aurora e Crepúsculo
Irmã de Nirni, o plano e a deusa a qual os Khajiiti habitam, Azurah é a deusa a quem os Khajiit atribuem suas formas atuais e a misteriosa conexão entre eles e o Entrelaçar Lunar. Mesmo compartilhando muitas características com a deusa de outras culturas Azura, ela é uma entidade separada, e tem pouca presença no mito Khajiiti além de sua origem.[33]

Baan Dar
O Pária
Tido mais como uma manifestação do que um deus convencional, Baan Dar é a personificação da esperteza Khajiiti e a sagacidade instigada pelo longo sofrimento da parte deles.[33] Ele é comumente atribuído àquela genialidade da criação de planos de última hora para frustrar as máquinas dos inimigos dos Khajiit, homem ou mer.[33]

Khenarthi
Deusa dos Ventos
Pouco se sabe sobre o culto à Khenarthi, quem os Khajiit acreditam ser a Deusa dos Ventos, a qual o fôlego sustenta seus parentes, Jode e Jone, em seu caminho pelo céu. Ela também é creditada por conceder rapidez aos Khajiit.[33] Quando "gatos de verdade" morrem, Khenarthi voa suas almas para as Areias Atrás das Estrelas.[34] Ela é geralmente descrita como um grande falcão, e é popular entre marinheiros e fazendeiros.[35]

Jode
Deus da Grande Lua
Um aspecto do Entrelaçar Lunar, Jode é reverenciado de maneira única por cada subespécie de Khajiit, dependendo de sua aparência no tempo de nascimento do Khajiit.[33]

Jone
Deus da Pequena Lua
Um aspecto do Entrelaçar Lunar,[33] Jone é reverenciado de maneira única por cada subespécie de Khajiit, dependendo de sua aparência no tempo de nascimento do Khajiitas regards their aspect at the time of the Khajiit's birth.

Lorkhaj
A Besta da Lua
Mantido entre admiração e desprezo por sua trapaça e astúcia, Lorkhaj é facilmente identificável nas histórias de Lorkhan, e entre os Khajiit é creditado com a criação do plano mortal.[33]

Mara
A Gata Mãe / Deusa do Amor
A Deusa do Amor, à Mara são atribuídas todas as paixões Khajiiti. Nada se sabe sobre seu culto entre os Khajiit.[33]

Merrunz
Ja'Khajiit
Comparável a Mehrunes Dagon, Merrunz é um deus eternamente jovem de forma felina humanoide; portanto, como um gatinho, os Khajiit explicam sua tendência natural de lacerar e destruir o mundo em volta dele.

Rajhin
O Salteador / O Andarilho Silencioso
O deus gatuno Khajiiti, reza a lenda que Rajhin cresceu na seção Black Kiergo de Senchal. Pela vida, Rajhin foi o ladrão mais infame da história de Elsweyr, dito ter roubado uma tatuagem do pescoço da Imperatriz Kintyra enquanto ela dormia.[33][36] Ele é creditado pela uso do Anel de Khajiiti em suas roubalheiras, tornando o anel famoso. Depois de sua morte, Rajhin instalado entre os deuses Khajiiti, para servir de exemplo de esperteza e ágil habilidade a eles. Sua benção é a mais pedida antes de cometer atividades de natureza menos-que-lícitas.

Riddle'thar
Dança das Duas Luas / O Deus Açúcar
A divindade da ordem cósmica dos Khajiit, Riddle'thar foi revelado aos cidadãos de Elsweyr pelo profeta Rid-Thar-ri'Datta. Riddle'thar é mais um conjunto de diretrizes do que uma única entidade, embora se saiba que alguns de seus avatares aparecem como humildes mensageiros dos deuses daqueles que precisam.[33]

S'rendarr
O Baixinho / Deus da Misericórdia
Nada se sabe sobre S'rendarr, salvo que os Khajiit o veneram como o Deus da Misericórdia. Devido às similaridades nos nomes S'rendaar e Stendarr, o que pode ter sido causado por pronúncia incorreta Khajiiti, S'rendarr pode ser de fato a forma Khajiiti do Imperial Stendarr suportado pelo fato de que ambos são deuses da misericórdia.

Sheggorath
Gato da Skooma
O Deus da Loucura, Sheggorath é facilmente identificável como o Imperial Sheogorath, os efeitos negativos da Skooma e Açúcar Lunar foram atribuídos a sua presença entre os Khajiit.[33]

Morfologia

Todo Khajiit é sutilmente ligado ao Entrelaçar Lunar, uma força misteriosa intitulada ja'Kha'jay na sua língua nativa. O Entrelaçar Lunar determina a forma que um Khajiit assume em vida, de acordo com as fases de Masser e Secunda no tempo de seu nascimento; enquanto recém-nascidos Khajiiti se aparecem muito uns com os outros ao nascer, sua futura forma se torna clara em questão de semanas. Isso dá-se ao fato de que, mesmo sendo mais pequenos que ambas crianças humanas e mer, o crescimento Khajiiti ocorre significativamente mais rápido.

É importante notar que enquanto os Khajiit derivam sua forma natural das luas de Nirn, sua ligação peculiar a tal não é relacionada de jeito nenhum à licantropia, vendo que, ao contrário da doença, não é nem contagioso nem temporário. Um Khajiit vai manter sua forma de nascimento por toda sua vida. As luas, apesar de afetarem a forma na qual um Khajiit nascerá, não a afetam depois disso. Além disso, não existem Khajiit que mudam de forma conhecidos.

Há rumores de existirem "mais de vinte" formas de Khajiit, entretanto até agora, só há informação nessas que seguem.[13]

Fases de Masser
Cheia Crescente Nova Minguante
Fases de Secunda
Cheia Mfull Sfull.jpg
Senche
Mwaxing Sfull.jpg
Cathay
Mnew Sfull.jpg
Ohmes
Mwaning Sfull.jpg
Alfiq
Crescente Mfull Swaxing.jpg
Senche-raht
Mwaxing Swaxing.jpg
Cathay-raht
Mnew Swaxing.jpg
Ohmes-raht
Mwaning Swaxing.jpg
Alfiq-raht
Nova Mfull Snew.jpg
Pahmar
Mwaxing Snew.jpg
Tojay
Mnew Snew.jpg
Suthay
Mwaning Snew.jpg
Dagi
Minguante Mfull Swaning.jpg
Pahmar-raht
Mwaxing Swaning.jpg
Tojay-raht
Mnew Swaning.jpg
Suthay-raht
Mwaning Swaning.jpg
Dagi-raht
Luas alinhadas
Maligned Saligned.jpg
Juba

Notas de Subespécies

O seguinte detalha informações específicas para cada "espécie" de Khajiit.

Ohmes

Similares em muitas maneiras aos Bosmer, mas generalmente de estatura menor. Para fim de evitar serem confundidos com os Bosmer muitos Ohmes tatuam seus rostos para se assemelhar um aspecto felino. Os Ohmes são a forma mais comum vista fora da província de Elsweyr, tirando vantagem da preferência de outras raças pela sua aparência para servir em posições de embaixadores e comércio. É possível que os Ohmes sejam a espécie vista por Tamriel ao final do quarto século da Terceira Era.

Ohmes-raht

Similares a raça humana, exceto por suas caudas e curto, pelo de cor clara, os Ohmes-raht podem ser facilmente confundidos com homens de longe. Diferente das muitas outras Unlike the many other espécies de Khajiit que andam como gatos sob as bolinhas de seus pés, os Ohmes-raht andam sob seus calcanhares. Os Ohmes-raht são a espécie mais comumente encontrada em Hammerfell e Pedralta no início do quinto século da Terceira Era.

Suthay

Similares aos Suthay-raht em todos os aspectos, salvo que são de menor estatura.

Suthay-raht

Similares em tamanho e físico à raça humana, os Suthay-raht são uma das espécies mais comuns de Khajiit. Sua coloração vai de um marrom escuro e laranja, a amarelo claro, ambas com e sem listras e manchas. Suthay-raht são frequentemente chamados de "Ja'Khajiit" (significando "gatinho") pelas outras raças; essa denominação é muito estranha para os Khajiit, visto que tal título é um dos nomes dados a Mehrunes Dagon por eles. Os Khajiit encontrados em Vvardenfell são Suthay-raht, assim como os Khajiit encontrados em Stros M'Kai perto do final da Segunda Era.

Cathay

Uma forma Khajiiti determinada pelo Entrelaçar Lunar (ja'Kha'jay): quando a lua Masser está crescente e Secunda está cheia. Similares aos Suthay-raht em aparência e bipedismo, entretanto eles possuem maior estatura e força.

Cathay-raht

Uma forma Khajiiti determinada pelo Entrelaçar Lunar (ja'Kha'jay): quandos as luas Masser e Secunda estão minguantes. Maiores e mais fortes do que os Cathay, os Cathay-raht são comumente descritos por raças não-Khajiit como "homens-jaguar". Não se sabe se isso implica que os Cathay-raht são uma espécie manchada ou não.

Tojay

Pouco se sabe sobre os Tojay, exceto que vivem nos pântanos do sul e regiões de selvas de Elsweyr, assim como a floresta Tenmar.

Tojay-raht

Nada se sabe dos Tojay-raht, salvo que é provavelmente uma versão maior dos Tojay.

Alfiq

Uma forma quadrúpede de Khajiit, Alfiq é, em muitos aspectos, similar ao gato doméstico. Embora menor em forma, o Alfiq mantém a aguçada inteligência Khajiiti, possuindo a habilidade de entender a fala de outros, apesar de ser incapazes de responder. è possível que possa conjurar feitiços; veja Táticas de Unidades Mistas para mais nesse assunto.

Alfiq-raht

Nada se sabe dos Alfiq-raht, salvo que é provavelmente uma versão maior dos Alfiq.

Dagi

Uma forma menos comum de Khajiit, Dagi vive nas arvores da floresta Tenmar. Devido ao tamanho menor e baixo peso, são capazes de habitar os galhos altos que nem os Bosmer alcançam. Dagi têm uma afinidade mágica natural, e são renomados conjuradores de feitiço, uma característica muitas vezes aproveitada nas táticas de batalha Khajiiti.

Dagi-raht

Similares em todos os aspectos aos Dagi, enquanto um pouco maiores, no entanto, não muito já que também conseguem habitar galhos altos, como os Dagi. Pode-se supor que, assim como seus primos menores, são naturalmente habilidosos no uso da magia.

Pahmar

O Pahmar é similar em aparência e tamanho a um tigre.

Pahmar-raht

O Pahmar-raht é similar ao Pahmar em aparência, embora maiores e de disposição mais feroz.

Senche

O Senche é comumente empregado pelas outras espécies de Khajiit como um corcel, supostamente por vontade própria. Aproximadamente da mesma altura do Altmer comum, com um peso médio comparável ao de vinte Altmer. Seus antebraços são espessos e maiores que suas partes traseiras, dando a eles uma aparência semelhante a de macacos. Sua pele é morena, formada de listras de cores de sangue seco.[3]

Senche-raht

Maiores e mais lentos do que os Senche, os Senche-raht também possuem um corpo menor e pernas mais justas. O Senche-raht comum é tão alto quanto dois Altmer e pode pesar mais ou menos do que cinquenta. Assim como o Senche, Senche-raht também é empregado como corcel, especialmente em batalha, de onde ganharam o título de "gatos de batalha" de soldados Impeirais.

Juba

Uma espécie única de Khajiit mesmo assim não mais importante do que nenhuma das outras variedades. Tradição Khajiiti acredita que só uma Juba pode viver de uma vez e, mais especificamente, acreditam que existem na verdade só uma Juba que renasce de novo e de novo em corpos diferentes. Não se sabe de nenhum incidente de mais de uma JubaThere has been no recorded incident of more than one Mane lutando por poder, embora não se saiba se é devido à verdade da crença Khajiiti ou que a Juba toma conta de quaisquer possíveis rivais. Jubas só podem nascer sobre um raro alinhamento das luas Masser e Secunda quando, de acordo com a lenda, uma terceira lua aparece. Nos velhos tempos os Khajiit raspavam suas jubas em respeito à Juba, as transformavam em tranças as quais a Juba unia à sua própria juba. Ao crescer da população, porém, a prática foi diminuindo, entretanto os Khajiit ainda removem suas jubas e a Juba atual ainda vesta os pelos de sua tribo e sua Guarda Guerreira, a qual inclui centenas em números. A Juba é tão sobrecarregada por esses pelos que a movimentação fica difícil sem ajuda e ela geralmente viaja pelas zonas rurais por meio de um palanquim.

O Dialeto Khajiiti: Ta'agra

Known translated words from Ta'agra:

  • "Jo" significa "feiticeiro".
  • "Dar" significa "ladrão". Esta denominação não é para indicar um criminoso, mas sim alguém talentoso, ou então, particularmente habilidoso com suas mãos.
  • "Do" significa "guerreiro". Este título é raramente usado por Khajiit modernos, salvo por guardas pessoais da Juba, e mestres da Presagout, Presa Murmurante, e Rawlith Khaj.
  • "M" ou "Ma" significam "criança" ou "aprendiz". Khajiit também usam a palavra para indicar alguém que é virgem.
  • "J," Ji," ou "Ja" significam "um bacharel" ou "jovem adulto". Na língua materna, significa alguém que é jovem e precisa de experiência.
  • "S" significa "adulto" ou "um adulto".
  • "Ra" e "Ri" são usados para indicar grande posição, "Ri" sendo o mais honorífico entre os Khajiit, usado por líderes de cidades ou tribos.
  • "Dro" significa "avô" e é usado como uma forma de respeito.
  • "Khaj" significa "deserto".
  • "-iit" é usado para indicar onde alguém vive, e também para definir o trabalho.
  • "Va" significa "ser".
  • "Rabi" é usado para definir posse, e também é nome de um estilo de camisa normalmente usado pelos Suthay-raht.
  • "Thjizzrini" significa "conceitos tolos," o tradução mais próxima possível de "regras" em Ta'agra.
  • "Ri'sallidad" significa "mártires", mas é somente usado caso esses mártires mereçam honra especial.
  • "Vaba" significa "é".
  • "Ja-Kha'jay" o "Entrelaçar Lunar", ocasionalmente traduzido como as "Linhas Lunares" por estrangeiros.[13]
  • "Renrij" traduz para, variando de "escória", "mercenário" ou "sem terras".
  • "Krin" significa "sorriso", "gargalho", ou "risada".

Nota Etimológica

O título "khajiit" derivado do Ta'agra "khaj" e "-iit", uma tradução literal seria "aquele do deserto". Os próprios Khajiit, entretanto, acreditam que uma tradução ideal seria "aquele que caminha pelo deserto". Por essa razão, "khajiit" é traduzido de forma abreviada como "andarilho do deserto", assim são conhecidos muitos Khajiit.

Veja Também

Livros

Referências

  1. ^ a b c d e f g h i j [[Lore:Guia de Bolso do Império, 3º Edição/Açúcar e Sangue|]]
  2. ^ Diálogo de J'zargo em Skyrim
  3. ^ a b [[Lore:A Cidade Infernal|]]
  4. ^ Renrijra Maor
  5. ^ a b [[Lore:Notas em Filogenia Racial|]]
  6. ^ Ask Us Anything Variety Pack 4
  7. ^ [[Lore:Real Barenziah, Parte IV|]]
  8. ^ [[Lore:Guia à Leyawiin|]]
  9. ^ [[Lore:O Jogo de Compra|]]
  10. ^ [[Lore:Guia à Bravil|]]
  11. ^ [[Lore:2920, Primeira Semente (v3)|]]
  12. ^ [[Lore:Pai do Niben|]]
  13. ^ a b c d e f g h i j k l [[Lore:Guia de Bolso do Império, 1º Edição/A Confederação de Elsweyr|]]
  14. ^ Guia de Bolso do Império, 3º Edição: Todas as Eras do Homem, Uma História Compreensiva da nossa HistóriaSociedade Geográfica Imperial, 3E 432
  15. ^ [[Lore:Táticas de Unidade Variadas|]]
  16. ^ a b [[Lore:O Coração de Anequina de Cherim|]]
  17. ^ [[Lore:Uma Dança no Fogo, Capítulo 4|]]
  18. ^ Where Were You When the Dragon Broke?Various
  19. ^ [[Lore:A Grande Guerra (book)|]]
  20. ^ [[Lore:Províncias de Tamriel|]]
  21. ^ [[Lore:Confissões de um Comedor de Skooma|]]
  22. ^ [[Lore:Preparação do Corpo v I|]]
  23. ^ [[Lore:Antes do Tempo dos Homens|]]
  24. ^ [[Lore:Flora Especial de Tamriel|]]
  25. ^ The Marksmanship LessonAlla Llaleth
  26. ^ The Eastern Provinces Impartially Considered
  27. ^ Brown Book of Great House Telvanni
  28. ^ Realizations of AcrobacyMaster Rhunen Zebavi
  29. ^ [[Lore:Guia de Bolso do Império, 1º Edição/Morrowind|]]
  30. ^ Mysterious Akavir
  31. ^ Guia de Bolso do Império, 3º Edição: A Guerra com as Árvores: Argonia e o Pântano NegroImperial Geographical Society, 3E 432
  32. ^ a b c d e f g h Words of Clan Mother Ahnissi to her Favored DaughterClan Mother Ahnissi
  33. ^ a b c d e f g h i j k l m Variedades da Fé no ImpérioIrmão Mikhael Karkuxor
  34. ^ Litter-Mates of DarknessMoon-Bishop Hunal
  35. ^ Loading screen in ESO
  36. ^ Tamrielic ArtifactsYagrum Bagarn

Links Externos

Informações das seguintes fontes foram usadas, como um todo ou em partes, para estabelecer os conteúdos desse artigo: